Académicos discutem influência histórica portuguesa a nível global

Investigadora garante existirem atualmente elementos linguísticos do português em mais de 50 idiomas asiáticos

A influência portuguesa na língua, na música e na literatura de países na América do Sul, Ásia e África, que dura há séculos, é tema de uma conferência na segunda-feira, em Londres, com académicos de diferentes universidades britânicas.

A presença da língua portuguesa no Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Macau e Timor-Leste é naturalmente atribuída ao tempo que estes territórios estiveram sobre administração lusitana, mas a influência alastrou à esfera cultural.

Uma das questões a que os organizadores da Faculdade de Estudos Avançados da Universidade de Londres esperam responder é "como conseguiu um país com recursos limitados deixar uma marca que sobreviveu a sucessivas potências imperiais que se seguiram?".

Uma das organizadoras, Shihan da Silva, afirmou à agência Lusa que esta "influência portuguesa persistiu através dos tempos, porque [os portugueses] assimilaram [informação] e interagiram com as pessoas com as quais entraram em contacto, noutras partes do mundo".

Autora de trabalhos e livros sobre a presença portuguesa na Ásia, sobretudo no Oceano Índico, a investigadora garante que existem ainda hoje elementos linguísticos de português em mais de 50 idiomas asiáticos.

Os temas dos painéis vão discutir "a relevância das diásporas africanas transnacionais para a questão da língua e da cultura", "creolização e diáspora nas Índias Portuguesas" e "hibridismo e creolização na música e língua pós-coloniais, no oceano Índico".

A forma como os portugueses conseguiram aproximar-se dos diferentes povos que visitaram e colonizaram será analisada por especialistas de universidades de Londres, Bristol e Swansea.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.