Académicos discutem influência histórica portuguesa a nível global

Investigadora garante existirem atualmente elementos linguísticos do português em mais de 50 idiomas asiáticos

A influência portuguesa na língua, na música e na literatura de países na América do Sul, Ásia e África, que dura há séculos, é tema de uma conferência na segunda-feira, em Londres, com académicos de diferentes universidades britânicas.

A presença da língua portuguesa no Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Macau e Timor-Leste é naturalmente atribuída ao tempo que estes territórios estiveram sobre administração lusitana, mas a influência alastrou à esfera cultural.

Uma das questões a que os organizadores da Faculdade de Estudos Avançados da Universidade de Londres esperam responder é "como conseguiu um país com recursos limitados deixar uma marca que sobreviveu a sucessivas potências imperiais que se seguiram?".

Uma das organizadoras, Shihan da Silva, afirmou à agência Lusa que esta "influência portuguesa persistiu através dos tempos, porque [os portugueses] assimilaram [informação] e interagiram com as pessoas com as quais entraram em contacto, noutras partes do mundo".

Autora de trabalhos e livros sobre a presença portuguesa na Ásia, sobretudo no Oceano Índico, a investigadora garante que existem ainda hoje elementos linguísticos de português em mais de 50 idiomas asiáticos.

Os temas dos painéis vão discutir "a relevância das diásporas africanas transnacionais para a questão da língua e da cultura", "creolização e diáspora nas Índias Portuguesas" e "hibridismo e creolização na música e língua pós-coloniais, no oceano Índico".

A forma como os portugueses conseguiram aproximar-se dos diferentes povos que visitaram e colonizaram será analisada por especialistas de universidades de Londres, Bristol e Swansea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.