Académico goês premiado na Índia agradece em português

Constantino Xavier, de origem goesa, recebeu da ministra dos Negócios Estrangeiros indiana uma distinção dada a antigos bolseiros de excelência. No discurso de aceitação falou um pouco em português, "uma das línguas da Índia", e relembrou cinco séculos de relações bilaterais e ainda o caso de sucesso que é António Costa.

Foi das mãos da ministra indiana dos Negócios Estrangeiros, Sushma Swaraj, que Constantino Xavier recebeu em Nova Deli o prémio do Conselho Indiano para as Relações Culturais (ICCR) que visa distinguir antigos bolseiros de excelência. A par do académico português, houve mais quatro premiados, oriundos do Afeganistão, Etiópia, Vietname e Butão, curiosamente todos eles ministros em governos nacionais ou estaduais.

Xavier, que atualmente é investigador no Brookings India, fez um discurso de aceitação em que falou sobretudo em inglês, mas também em hindi, igualmente em konkani, o idioma dos antepassados goeses, e ainda em português, "uma das línguas da Índia". Uma homenagem sua à admirável diversidade do país, em que a memória da presença portuguesa hoje se sente mais em apelidos como Ferreira, Noronha ou Mascarenhas (usados por dezenas de milhões de católicos) do que pelo idioma, que subsiste em Goa em algumas pessoas mais velhas, mas que tem perdido terreno para o inglês desde que em 1961 a Índia pôs fim a mais de quatro séculos de soberania portuguesa. Hoje, há um esforço para relançar o interesse pelo português e isso sente-se também em universidades fora de Goa.

E foi em português, "falado em algumas casas indianas", que afirmou: "sinto-me muito feliz por receber esta distinção. Encoraja-me a continuar a estudar a Índia e também a tentar servir como uma ponte entre a Índia e o mundo, especialmente com Portugal e a Europa".

Xavier recordou como surpreendeu muita gente a sua opção em 2004 por estudar na Índia, na Universidade Jawaharlal Nehru, mas como essa opção lhe permitiu conhecer o país, em toda a sua diversidade, e assistir ao desenvolvimento dos tempos recentes. Atualmente com 1300 milhões de habitantes, a Índia é já a sexta maior economia mundial e ainda este ano deverá ultrapassar em termos de PIB a Grã-Bretanha, que até 1947 e ao triunfo da luta de Nehru e do Mahatma Gandhi foi a potência colonizadora.

Na cerimónia, o académico abordou também os laços entre Portugal e a Índia, com mais de 500 anos, e a figura de António Costa, um primeiro-ministro português com raízes em Goa como ele. E destacou o contributo da diáspora indiana para a sociedade portuguesa, seja goesa, gujarati ou penjabi.

Uma palavra ainda para o ICCR, pelo papel que tem na diplomacia cultural, e para o Centro de Estudos Indianos que existe hoje na Universidade de Lisboa, agradecendo à embaixadora indiana em Lisboa, Nandini Singla, pela nomeação para o prémio e pelo seu esforço em aprofundar as relações bilaterais.

Assistiu à cerimónia em Nova Deli o embaixador de Portugal na Índia, Carlos Marques.

Em declarações ao jornal Economic Times, a ministra Swaraj relembrou que são hoje cerca de seis mil os bolseiros do ICCR na Índia e relembrou que a procura do saber faz parte da tradição da civilização indiana.

Doutorado pela Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, Constantino Xavier tem estudado sobretudo a política externa indiana e a relação com os países vizinhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.