A repentina crise de ciática de Juncker na cimeira da NATO

Presidente da Comissão Europeia, Jean Claude-Juncker, surgiu visivelmente debilitado numa das cerimónias realizadas no âmbito da cimeira da NATO em Bruxelas. Foi ajudado por vários líderes. Entre os quais António Costa e Mark Rutte

Para celebrar o encontro de chefes do Estado e de governo da NATO, os aliados juntaram-se na quarta-feira à tarde numa cerimónia no Parque Cinquentenário, em Bruxelas, para a qual foram convidados os líderes das instituições da União Europeia.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que horas antes tinha assinado um acordo para reforçar a cooperação entre a União Europeia e a NATO, foi visto em dificuldades, tendo sido ajudado por vários dos líderes presentes, entre os quais os primeiros-ministros de Portugal António Costa e da Holanda Mark Rutte.

Alguns dos presentes ajudaram o presidente da Comissão Europeia, movendo-se com dificuldade, visivelmente debilitado. Antonio Costa esclareceu hesta quinta-feira, na conferência de imprensa, que "sim" sabia o que se passou com o luxemburguês. "Ciática. Só a ciática", respondeu sucintamente o primeiro-ministro ao repórter da Associated Press, que filmou a cena.

Rutte, por seu lado, também questionado pelo jornalista da AP, respondeu: "Ele não tem nenhuma doença grave. Pelo que sei sofre de dores nas costas desde há algum tempo. E, de vez enquando, tem crises de dores".

O chefe do governo holandês remeteu mais detalhes para o gabinete de Juncker, mas este, até ao momento, escusou-se a fazer considerações sobre a vida pessoal do presidente da Comissão Europeia. Ex-primeiro-ministro do Luxemburgo, Juncker tem 63 anos.

No mês passado, após comparência no Parlamento na Irlanda, Juncker sentiu-se obrigado a dar explicações: "Tenho dificuldades em andar. Não estou bêbado. Tenho ciática. Antes estar bêbado".

Em Bruxelas

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.