A festa de Natal que acabou num arraial de pancada entre mães

Mulheres começaram briga por causa do melhor local para filmar a peça dos filhos. E a partir daí sucederam-se os socos, pontapés e bofetadas. A festa acabou com as crianças a chorarem de medo

O Natal de paz e concórdia, que por estes dias foi um disco riscado na festa de Natal de uma escola básica italiana em Gela, na Sicília, e que acabou com as crianças vestidas de anjos aterradas a chorar por causa de uma luta dos diabos entre duas mães. Nada próprio para a época.

Segundo o jornal Corriere della Sera , tudo começou quando duas mulheres se começaram a desentender por causa do melhor lugar para filmarem os petizes na peça de teatro no palco.

O que se passou a seguir, na descrição do jornal, foi um arraial de socos, pontapés e bofetadas, envolvendo outros familiares das duas mulheres, que provocou a debandada de outros pais com os filhos de asas nas costas a chorarem baba e ranho, temendo que a violência e a fuga pudesse acabar em tragédia naquela sala transformada num imenso ringue de boxe.

Num vídeo divulgado pelo jornal, já só se vê o final abrupto da récita: pais e mães a deixarem o ginásio da escola, onde só se veem cadeiras pelo chão, crianças em pranto ao colo, enquanto se ouvem vozes indignadas a dizerem "vergonha" e outras que acalmam os alunos, "calma, calma".

A polícia foi chamada ao local por alguém que também estava na escola e os agentes conduziram à esquadra as duas mulheres e mais dois homens, que protagonizaram o combate fora de época e em recinto inadequado. As autoridades confiscaram vídeos gravados por outras mães, diz o Corriere, para melhor identificar outros possíveis agressores.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.