O desespero em Kemerovo. Maioria das vítimas eram crianças

O centro comercial que ardeu na Rússia domingo era um destino popular para famílias e estava cheio de pais e filhos no primeiro dia das férias escolares

Pelo menos 64 pessoas morreram no incêndio que destruiu no domingo um centro comercial na cidade russa de Kemerovo, na Sibéria, confirmou o ministro das situações de emergência, numa altura em que falta recuperar seis corpos. Maioria das vítimas eram crianças.

O centro comercial em causa era um destino popular para famílias e estava cheio no domingo, o primeiro das férias escolares, quando deflagrou o incêndio.

A CCTV divulgou um vídeo onde se vê o momento em que tem início o fogo, e a forma como as primeiras pessoas tentam fugir do local.

Segundo as investigações preliminares, o alarme anti-incêndios do edifício não foi acionado, pelo que as pessoas que ali se encontravam só se aperceberam do fogo quando um fumo denso invadiu o centro comercial

Em declarações à televisão, Vladimir Puchkov disse que os bombeiros já verificaram todos os quatro pisos do centro comercial.

Segundo informou o centro de crise, duas das salas de cinema abateram por causa do incêndio.

Em vídeos gravados por testemunhas durante a noite, viam-se visitantes do centro comercial a saltar pelas janelas para fugir às chamas.

De acordo com investigações preliminares, o alarme anti-incêndios do edifício não foi acionado, pelo que as pessoas que ali se encontravam só se aperceberam do fogo quando um fumo denso invadiu o centro.

As equipas de bombeiros demoraram mais de seis horas a controlar as chamas, que alastraram a uma superfície de 1.500 metros quadrados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.