Independentistas catalães expulsos pela polícia francesa mudam local de protesto

Mossos d'Esquadra detiveram o condutor de um camião que tentou atropelar um grupo de manifestantes. Não foram registados feridos.

A organização independentista autodenominada Tsunami Democrático convocou os apoiantes para bloquearem um novo local na fronteira entre Espanha e França, depois de terem sido expulsos da autoestrada que liga os dois países, onde estavam desde segunda-feira, dia 11 de novembro.

Após a expulsão do território francês, com a intervenção da polícia deste país que deteve 18 pessoas, o Tsunami democrático pediu aos manifestantes que se concentrassem novamente, alguns quilómetros mais abaixo, desta vez do lado espanhol, perto da povoação de La Jonquera.

Os independentistas estão a tentar manter o bloqueio da circulação de pessoas e mercadorias entre os dois países.

Homem tenta atropelar manifestantes

Entretanto, a polícia regional, os Mossos d'Esquadra, deteve o condutor do camião que tentou atropelar um grupo de manifestantes independentistas, que estava concentrado na estrada N-II, junto à povoação de La Jonquera, próximo da fronteira com a França.

O camião não parou, desobedeceu às ordens das autoridades e avançou contra os manifestantes, que, ainda assim, conseguiram afastar-se a tempo. Não foram registados feridos. O condutor acabou por ser detido pelos Mossos d'Esquadra, que tiveram de afastar os manifestantes que tentavam alcançar o camião, segundo relata o jornal La Vanguardia.

Esta ação de "desobediência civil pacífica", organizada pelo grupo independentista Tsunami Democrático, começou na segunda-feira, 11 de novembro, e deveria demorar três dias. O objetivo do protesto é exigir diálogo por parte do governo para resolver a crise na Catalunha.

O movimento convocou, entretanto, uma nova manifestação para as 17:00 no Parc Central de Girona.

A plataforma independentista foi responsável por uma série de ações de protesto, alguns violentos, desde a condenação a penas de prisão de 12 líderes separatistas catalães pelo seu envolvimento em 2017 na tentativa de autodeterminação desta região espanhola.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG