Igreja chilena veta "beijos na boca", "palmadas nas nádegas" e "abraços muito apertados"

Diretrizes polémicas de um documento não menos polémico para evitar abusos do clero chileno. Há 126 casos em investigação por alegados abusos sexuais de padres daquele país sul-americano.

A hierarquia da Igreja Católica chilena está a tentar recompor a credibilidade dos seus sacerdotes e nesse sentido, tendo em conta o escândalo de abusos sexuais que atingiu o edifício do clero daquele país, resolveu traçar diretrizes rígidas e que vão no sentido de que não existam mais queixas.

Assim há uma circular que proíbe "abraços muito apertados", "dar palmadas nas nádegas, tocar na zona genital e no peito", "fazer massagens", "beijar na boca" e ainda "dormir ou permanecer deitado com crianças ou adolescentes".

Esta norma é assinada pelo arcebispo Ricardo Ezzati, que no documento omite, estrategicamente ou não, qualquer alusão a abuso sexual.

O documento, conhecido agora mas ainda em aberto até a uma versão final que deverá conhecer a luz em abril do próximo ano, fala ainda de uma proibição explícita aos sacerdotes em abraçar "por trás" e "jogos que envolvam tocar inadequadamente".

Noutro capítulo é recomendado que os padres chilenos não violem a privacidade, tirando fotos a crianças, adolescentes ou adultos quando estes se encontram nus ou a tomar banho. E remata: "Qualquer material sexualmente explícito ou pornográfico é absolutamente inadmissível", refere o documento.

O mesmo foi conhecido no último fim de semana e não colheu grandes elogios, tendo o arcebispo Ricardo Ezzati afirmado que este documento foi elaborado a partir de normas internacionais e, por isso, a tradução foi literal sem a adequação perfeita de alguns termos. A contestação surgiu pois a opinião pública considerava que a elaboração deste documento mostrava que o clero chileno "não percebeu nada sobre a tragédia".

Há, neste momento, 126 casos de alegados abusos sexuais de padres chilenos a serem investigados pelas autoridades e o Papa Francisco já ouviu, uma a uma, algumas vítimas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG