Papa ouve "uma a uma" vitimas de abusos de padre chileno

O Papa Francisco começou hoje uma série de encontros individuais com vítimas de abusos sexuais cometidos pelo padre chileno Fernando Karadima.

O Papa Francisco começou hoje uma série de encontros individuais com vítimas de abusos sexuais cometidos pelo padre chileno Fernando Karadima.

Os encontros decorrem até domingo e esta é a segunda vez que o papa se reúne com vítimas do padre chileno, cujos crimes foram ocultados pela igreja do Chile.

Karadima foi condenado em 2011 pela justiça canónica a uma vida de reclusão e penitência por esses atos.

Juan Barros, nomeado bispo em março de 2015 pelo papa Francisco, foi acusado no Chile de encobrir os casos de abuso sexual cometidos pelo influente Fernando Karadima quando era pastor da igreja El Bosque, em Santiago.

Depois de ter recebido há algumas semanas James Hamilton, Juan Carlos Cruz e José Andrés Murillo, vítimas de abusos por parte de Karadima quando eram menores, e representantes da luta contra o silêncio da Igreja Chilena, Francisco reabre agora as portas de sua residência para ouvir um novo grupo.

Ao todo são cinco sacerdotes chilenos da paróquia de El Bosque, vítimas de Karadima, dois padres que ajudaram as vítimas na sua jornada legal e espiritual, e dois leigos envolvidos neste processo.

No sábado o grupo poderá assistir a uma missa matinal presidida pelo papa na capela da Casa Santa Marta, um privilégio que não tiveram os 34 bispos que há algumas semanas se reuniram com o papa.

A 18 de maio todos os bispos chilenos apresentaram a sua renúncia ao papa Francisco depois de três reuniões com o pontífice na sequência do escândalo de abusos sexuais que abalou o clero no Chile.

Os bispos do Chile foram convocados de 15 a 17 de maio para se reunirem com o papa Francisco depois de uma série de erros e omissões na gestão de casos de abuso, especialmente em relação ao caso de Juan Barros, acusado de encobrir o padre Fernando Karadima.

Francisco convocou os bispos depois de descobrir que estava mal informado sobre este caso, tendo também reunido com as vítimas.

No final de três reuniões com o papa Francisco, os bispos anunciaram que assinaram um documento oferecendo a sua renúncia, colocando assim o seu destino nas mãos do papa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.