Há dois heróis na história da criança salva por um imigrante ilegal

Menino de quatro anos caiu dois andares, mas conseguiu segurar-se a uma varanda. Pai distraiu-se porque estava a jogar Pokémon Go

"Ele é realmente um herói", disse a avó da criança de quatro anos que foi salva de uma queda de um quarto andar de um prédio em Paris por um imigrante ilegal maliano. Mas Mamoudou Gassama, de 22 anos, não foi o único herói desta história. O menino caiu dois andares - morava no sexto - e conseguiu segurar-se o tempo suficiente até ser resgatado.

"Meu Deus, fiquei muito chocada. O meu neto, o meu neto, salve-o!", disse a avó do menino à televisão francesa, acrescentando que "felizmente [ Gassama] sabia escalar porque havia muitas pessoas na rua, mas ele não cruzou os braços. Foi realmente incrível. Ele foi muito corajoso", admitiu.

"Esta criança teve uma coragem extraordinária, agarrou-se à vida como um adulto

Segundo a TV BFM, a criança caiu do sexto andar mas, quase por milagre, conseguiu segurar-se a uma varanda dois andares abaixo. Nas imagens, vê-se como um vizinho segurou no pulso do menino, enquanto Mamoudou Gassama trepava os quatro andares e salvava a vida do rapaz.

Durante vários segundos, o vizinho que reside no 4º andar segurou no braço da criança e só não o puxou porque tinha medo que a roupa se rasgasse e o menino caísse.

"Esta criança teve uma coragem extraordinária, agarrou-se à vida como um adulto", disse o vizinho, que reagiu às críticas de quem o acusou de não ter puxado o menino para a sua varanda. "Queria agir com cuidado e não ia arriscar a vida da criança", disse o homem.

De acordo com o canal de televisão francês BFM TV, que cita fontes do Ministério Público, o pai da criança deixou-a sozinha em casa, no passado sábado, para ir às compras, mas demorou mais tempo porque se distraiu a jogar Pokémon Go.

Esta segunda-feira, o Presidente francês, Emmanuel Macron, agradeceu pessoalmente a Gassama e atribuiu-lhe uma medalha pela sua coragem. Além da naturalidade francesa, o imigrante recebeu também um trabalho nos bombeiros.

O menino de quatro anos tinha deixado a Ilha de Reunião, onde moram a mãe e a avó, há cerca de três semanas, tendo ido ao encontro do pai em Paris. A mãe e o irmão têm planos de juntar-se à família em junho.

Segundo a BBC, a mãe explicou que o marido não estava habituado a tomar conta do filho. "Não posso justificar o que o meu marido fez. O meu filho teve sorte", disse a mulher.

Segundo a comunicação social francesa, o pai ficou "profundamente comovido" quando soube o que acontecera e ficou detido até esta segunda-feira.

A criança foi entregue a uma instituição, mas o Ministério Público decidiu entregar o menino ao progenitor, após afastar a possibilidade do menor se encontrar em perigo. No entanto, o pai será ouvido em tribunal no dia 25 de setembro, por não ter cumprido as suas "obrigações parentais".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG