"Gulbenkian ajudava os pobres arménios e muitas vezes nem se sabia que era ele"

Almoço com Vahe Mkhitarian, presidente da Associação de Amizade Portugal-Arménia, que fala sobre um povo com mais de quatro mil anos de história e que tem entre os seus heróis o magnata e filantropo Calouste Gulbenkian.

Para quem ainda não sabe, Lisboa tem desde o ano passado um restaurante arménio de grande qualidade. Fica na Avenida Conde Valbom e chama-se Ararate, como a montanha sagrada para o povo arménio, tão sagrada que surge no brasão nacional, representada com a Arca de Noé no topo, apesar de ficar hoje na Turquia, sinal dos avanços e recuos das terras arménias ao longo dos tempos. "Temos milhares de anos de história, uma antiguidade só comparável a povos como os iranianos ou os gregos. Celebrámos há pouco 4512 anos do primeiro Estado arménio. Fomos também a primeira nação a adotar o cristianismo como religião oficial", comenta Vahe Mkhitarian, presidente da Associação de Amizade Portugal-Arménia, fundada em 2016. Trabalha aqui mesmo ao lado, na Fundação Calouste Gulbenkian, um legado a Portugal de um milionário arménio que também "nunca esqueceu o seu povo", como me sublinha Vahe (a pronúncia correcta do nome é mais Vahé).

Não sou estreante no Ararate, mas pela primeira vez tenho um arménio como parceiro de refeição e, claro, deixo-me levar pelas suas sugestões. Assim, começamos com kachpuri, um pão com queijo que vem servido com uma gema de ovo que é misturada no momento. como na açorda. O meu convidado explica que é uma delícia mais da vizinha Geórgia até do que da Arménia, mas na realidade muito popular em todo o Cáucaso e daí ser servida no Ararate. Vem para a mesa também pão lavash, ótimo para barrar o caviar de beringela. "Muito bom, não é?", interroga-me Vahe e só posso concordar.

Economista de formação, Vahe aproveitou as oportunidades dadas pelo fim da União Soviética e pela independência da pequena Arménia para se aventurar no estrangeiro e chegou a Portugal há 20 anos a convite de um parceiro na área financeira em que trabalhava, depois de etapas em Roma e Londres. Ele que tinha sido vice-presidente de um banco aproveitou uma inesperada vaga na estrutura da Gulbenkian e hoje está nos serviços centrais, no controlo financeiro. "Tenho grande admiração por Calouste Gulbenkian. Por um lado, foi um homem de negócios extraordinário, que sem o apoio de qualquer país não só manteve como acrescentou a sua fortuna durante as duas guerras mundiais. O famoso senhor 5%, riquíssimo graças ao petróleo. Tenho também muito a agradecer-lhe como filantropo. Dedicou-se muito cedo ao apoio do povo arménio, nomeadamente os mais carenciados, na altura espalhados pelo mundo por causa do genocídio pelo Império Otomano. Havia comunidades no Líbano e na Síria muito pobres e foi Gulbenkian quem ajudou a construir orfanatos, escolas e igrejas. Muitas vezes ajudava através de amigos e de conhecidos e nem se sabia que era ele o benfeitor. Sempre foi um homem muito reservado", diz enquanto bebe um pouco de Jermuk, uma água mineral importada da Arménia que o restaurante tem entre as opções. Eu fico-me pela limonada, apesar dos bons vinhos arménios. Comento com Vahe que já bebi ali vinho de romã e que há uns meses até fiz um artigo com um jovem arménio que está em Portugal para estudar as afinidades entre os vinhos de talha arménios e portugueses, legado comum dos romanos.

Aliás, a confirmar a antiguidade arménia, um livro que li neste verão de Simon Scarrow falava de Roma e da sua aliança com o rei Tirídates, uma novela histórica passada no reinado de Nero.

Nascido em Yerevan, a 5 de agosto de 1968, Vahe sente-se completamente em casa em Portugal. "Desde os primeiros dias aqui nunca senti qualquer diferença de tratamento. Até pela nossa aparência. Somos morenos como os portugueses. Portanto, a minha integração na sociedade portuguesa foi rápida", afirma em português fluente este filho do Cáucaso que fala, além da língua materna e da do país de adopção, também russo, inglês e francês.

Sente-se em casa e por cá criou família. Conheceu através de amigos comuns a mulher, a violinista Elena Ryabova-Mkhitarian, que trabalha na Orquestra Gulbenkian. Russa com raízes arménias, Elena deu a Vahe dois filhos, André de 14 e Edgar de 7 anos. "Conheci-a no dia de aniversário dela", recorda, entre risos, o presidente da Associação de Amizade Portugal-Arménia.

Vahe conta que os arménios são numerosos, além da Rússia, nos Estados Unidos, no Canadá e na França, onde vive uma influente diáspora, como esse Charles Aznavour que morreu em 2018 mas que ainda vi em concerto dois anos antes em Lisboa, era ele já nonagenário. "Aznavourian. A terminação ian quer dizer filho de", explica Vahe sobre o som constante nos apelidos arménios, que na emigração por vezes são adaptados.

Para prato principal hesito entre ensopado de esturjão (que já provei e é saborosíssimo) e espetada de carne, acompanhada de batatas e cogumelos também na brasa (também recomendo). Acabo por seguir uma vez mais a escolha de quem é conhecedor. Seis khinkali para cada um, espécie de ravioli gigantes recheados com carne meio picante e que Vahe me aconselha a comer com as mãos, sugando o molho que escorrega do interior. Trazem-nos uns babetes de pano branco, não vá algum de nós sujar a camisa. O meu convidado tem uma reunião para preparar um concerto da Orquestra Consonância, que foi criada pela Associação de Amizade. Elena toca nela (além de fundadora, é diretora) e o objetivo é dar a conhecer aos portugueses a música arménia e aos arménios a música portuguesa. O último concerto foi no Palácio Nacional de Sintra e em dezembro haverá outro no Museu do Oriente. Vahe está determinado a dar a conhecer melhor os dois países que sente como seus e já conseguiu levar duas dezenas de amigos portugueses, sobretudo colegas da Gulbenkian, à Arménia, "uma viagem de sonho, que todos adoraram. Temos muito em comum. Sangue quente e afabilidade".

Os khinkali são enormes mesmo e com quatro fico confortado. Saltamos a sobremesa e só eu peço café. Fico a saber que há três milhões de arménios na sua república no Cáucaso, bem menor do que o território que já foi habitado por este povo, e uns sete milhões na diáspora. Em Portugal, calcula Vahe, serão 100-120, dos quais 78 de nacionalidade arménia a confiar nos números do SEF. Não vivem pois em Portugal crianças que cheguem para uma escola arménia, como aquelas que ainda hoje o serviço das Comunidades Arménias da Gulbenkian financia de modo a preservar a língua e a cultura de um povo plurimilenar. "As novas gerações não falam tão bem a língua como antes", admite Vahe.

O meu convidado arménio diz perceber bem porque Gulbenkian, nascido em Istambul e naturalizado britânico, gostou tanto de Portugal e ficou a viver em Lisboa mesmo depois de terminar a Segunda Guerra Mundial. E tem orgulho no amor à arte que o magnata revelou enquanto colecionista. Uma das atividades da Associação de Amizade é proporcionar visitas guiadas em arménio aos museus Gulbenkian e também promoveu um selo comemorativo dos 150 anos do nascimento do Senhor 5%, editado pelos CTT e pelo HayPost da Arménia. Outras iniciativas da associação foram a criação de uma unidade curricular de língua e cultura arménias na Universidade de Lisboa.

De vários episódios que ouvi de Vahe da história dos arménios e de Portugal ficaram-me dois na cabeça: a comunidade que terá havido no Porto e cujo único rasto é a Rua Arménia e a concorrência que Vasco da Gama foi fazer aos comerciantes arménios de especiarias que há muitos séculos andavam pelo Malabar - acabaram por se entender.

Ararate

Avenida Conde Valbom (Lisboa)

1 água mineral Jermuk
2 limonadas
1 pão lavash
1 caviar de beringela
1 kachpuri
12 khinkali
1 café
43,80 euros

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.