Gina, 18 anos. A primeira vítima identificada do atentado

Georgina Callander morreu no hospital. Segunda vítima identificada é Saffie Rose Roussos, de oito anos

Aos poucos, começam a ser conhecidas as identidades das vítimas do atentado que aconteceu segunda-feira em Manchester. A primeira vítima mortal identificada foi Georgina Callander, uma adolescente de 18 anos. Gina, como lhe chamavam os amigos, foi ferida numa das explosões durante o concerto de Ariana Grande e morreu no hospital.

Segundo o jornal Standard, que cita amigos da adolescente, a mãe de Georgina esteve ao lado da filha nos últimos momentos.

Gina era fã da cantora norte-americana Ariana Grande e no domingo escreveu no Twitter que estava ansiosa por assistir ao espetáculo em Manchester. A jovem já tinha estado com Ariana Grande em 2015 e, nessa altura, as duas tiraram uma fotografias, que Gina voltou a partilhar recentemente nas redes sociais.

Vários amigos e utilizadores têm partilhado nas redes sociais mensagens para Gina. "Descansa em paz Gina. Amo-te muito, tu merecias o mundo e mais. Tenho muita sorte em ter-te conhecido", escreveu uma amiga de Gina no Twitter, numa publicação que mostrava várias fotografias da jovem.

Um porta-voz da faculdade Runshaw College, onde Gina estudava, anunciou "com enorme tristeza" que "uma das pessoas que perdeu a vida no ataque em Manchester de segunda-feira" era aluna desta instituição.

Gina estava no segundo ano do curso de serviço social e saúde. "Os nossos mais profundos sentimentos, pensamentos e orações para toda a família e amigos de Georgina e para todos afetados por esta perda", continuou o porta-voz, segundo a BBC.

Gina era fã da série Era Uma Vez e, no passado mês de abril, conheceu vários atores do programa. Sean Maguire, um dos atores que esteve com Gina, escreveu no Twitter que ela era "jovem e doce".

"Encontrei-me com esta rapariga em abril. Ela era tão jovem e doce. Foi morta na noite passada em Manchester. O meu amor para ela e para todas as famílias das vítimas", escreveu o ator que interpreta o papel de Robin Hood.

Saffie tinha oito anos

A segunda vítima mortal já identificada é uma menina de oito anos: Saffie Rose Roussos, de Leyland, Lancashire, estava no concerto com a mãe e a irmã, que ficaram feridas na sequência do atentado.

Chris Upton, o diretor da escola primária de Tarleton que a menina frequentava, disse em comunicado que a notícia da morte de Saffie foi um "choque tremendo". "Saffie era simplesmente uma menina linda em todos os aspetos da palavra. Toda a gente gostava dela. A sua gentileza e bondade serão recordadas com carinho". O responsável acrescentou que a escola está agora focada em ajudar os alunos e funcionários a lidar com a perda. "Vamos dar uns aos outros o apoio que precisamos nesta altura difícil".

Ariana Grande "destroçada"

Ariana Grande escreveu no Twitter que fico destroçada com o sucedido. Morreram pelo menos 22 pessoas no atentado após o concerto e outras 59 ficaram feridas.

"Destroçada. Do fundo do meu coração, lamento muito. Não tenho palavras", escreveu a cantora, que segundo o TMZ se prepara para cancelar a digressão europeia - que passaria por Lisboa a 11 de junho.

Nas redes sociais começa a circular uma imagem de orelhas de coelho - uma das imagens de marca de Ariana Grande - sobre um laço preto que representa o luto.

A polícia acredita que o autor do ataque terá morrido na explosão, tratando-se possivelmente de um ataque suicida.

[Notícia atualizada às 13:50 com informação sobre Saffie Rose Roussos]

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.