Genebra aprova o salário mínimo mais alto do mundo. São 3.785 euros

A medida, que passou com 58 por cento dos votos da população, entra em vigor já em meados de outubro.

Os habitantes de Genebra, na Suíça, votaram neste domingo a favor da proposta de um salário mínimo de 23 francos suíços por hora - cerca de 21,3 euros - para todos os que trabalham na cidade, uma das mais caras do mundo. A medida entra em vigor já em meados de outubro.

Genebra é uma das cidades mais caras do mundo, onde a renda de um apartamento de dois quartos pode chegar aos 3.000 francos e um café custa entre 4 e 5 francos.

O salário mínimo garantido será de 4.086 francos suíços por mês para 42 horas de trabalho por semana, cerca de 3.785 euros, tornando-se assim o mais alto do mundo.

A votação enfrentou vários contratempos no passado. Em 2014, os eleitores votaram contra a introdução de um salário mínimo. Houve três tentativas em Genebra para que finalmente fosse aprovado com 58% dos votos que representam cerca de 500.000 eleitores, de acordo com os resultados oficiais publicados no domingo e citados pelo jornal La Vanguardia.

Mulheres são as mais afetadas pelos baixos salários

Os partidos de esquerda e os sindicatos defenderam a medida como uma forma de combater a pobreza e a precariedade, num momento em que a pandemia afetou fortemente a economia de uma cidade que depende muito do turismo, viagens de negócios e das idas e vindas de milhares de diplomatas, especialistas e outros funcionários que visitam as muitas agências da ONU baseadas no cantão.

É cada vez mais comum surgirem relatos de uma pobreza visível, escreve o jornal. Há longas filas de necessitados à espera de receber bens alimentares.

Atualmente, cerca de 17.000 trabalhadores são pagos abaixo desse salário mínimo, de acordo com vários sindicatos, afirmando que dois em cada três são mulheres.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG