Irma: Telhados arrancados, árvores caídas e cidades inundadas em Cuba

O furacão Irma arrancou telhados de casas e inundou centenas de quilómetros de costa ao passar por Cuba, depois de devastar as ilhas das Caraíbas, onde 25 pessoas morreram.

Ao avaliar os estragos deixados pelo furacão, que agora se dirige para Florida, nos Estados Unidos, as autoridades cubanas registaram inundações em várias cidades e em campos agrícolas.

Não há ainda registo de mortes no país, mas as autoridades ainda estão a tentar restabelecer a energia, limpar as estradas, e alertam a população para se manter fora das ruas em Havana devido às inundações intensas, que devem continuar até segunda-feira.

Os residentes "da capital devem saber que as inundações vão continuar por mais de 36 horas, ou seja, vão persistir", indicou a Defesa Civil no sábado à noite, informando que as águas entraram 600 metros em Havana.

Imagens de vídeo no norte e leste de Cuba mostram postes e letreiros arrancados, árvores caídas e danos extensos em telhados. Na cidade de Santa Clara 39 edifícios colapsaram, de acordo com as autoridades.

Mais de cinco mil turistas foram retirados nas zonas costeiras do norte e do centro, onde existem dezenas de resorts.

O serviço meteorológico de Cuba previa que o Irma chegasse à Florida às 11:00 (hora de Lisboa) de domingo.

Pelas 02:00 (hora de Lisboa), o furacão encontrava-se a 170 quilómetros de Key West, o ponto mais a sul dos Estados Unidos, com ventos de 205 quilómetros por hora. Espera-se que o Irma se fortaleça e volte a ter categoria 4, com ventos de mais de 240 quilómetros por hora.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG