Fotos de político a masturbar-se provocam movimento #MeToo na Tunísia

Imagens de um deputado tunisino recém-eleito, Zouheir Makhlouf, supostamente a masturbar-se num carro junto de uma escola na Tunísia, provocaram uma onda de histórias de mulheres vítimas de abusos sexuais e assédio.

O homem que desencadeou este movimento é o deputado recém-eleito Zouheir Makhlouf, que nega as acusações de estar a masturbar-se junto a um liceu, alegando que estava somente prestes a urinar para uma garrafa porque é diabético. Este caso foi conhecido em outubro, depois de uma aluna ter recolhido fotos e feito queixa de assédio, segundo a BBC. Após a divulgação das imagens, dezenas de mulheres começaram a partilhar na Tunísia as suas histórias de abuso sexual com a hastag #EnaZeda, que significa "MeToo" em árabe (o #MeToo nasceu em 2017, nas redes sociais, após um tweet da atriz Alyssa Milano em incentivava as mulheres a mostrarem solidariedade umas com as outras, especialmente quando se tratava de casos de assédio sexual).

O volume das denúncias tem aumentado e no início deste mês várias mulheres levaram o protesto até ao parlamento tunisino, na altura em que os deputados tomavam posse, a exigir uma investigação. O deputado em causa goza de imunidade parlamentar, mas a justiça ainda está a analisar o caso.

Pedofilia e incesto

A indignação perante o caso levou a Aswaat Nisaa, uma organização não-governamental que significa "Vozes de Mulheres", a lançar um grupo fechado no Facebook chamado #Ena Zeda. Este espaço permitiu partilhar experiências e as revelações chocaram mesmo os moderadores da página. "Pedofilia e incesto são mais desenfreados do que gostaríamos de admitir", disse a moderadora Rania Said à BBC. "Muitas, muitas famílias estão a esconder isso, e muitas nem sabem como lidar com isso". A página tem mais de 25 mil membros, com milhares ainda pendentes de aprovação.

Há um dilúvio de depoimentos detalhados alegando violação, violação conjugal e assédio sexual. As acusações são feitas contra militares, policias, universidades, escolas e parentes. E não são só mulheres que as fazem, há homens também a relatar casos. Este nível de casos graves surpreendeu a Aswaat Nisaa, especialmente sobre o que diz respeito ao abuso infantil que é ignorado pelas famílias. "Há muitas histórias sobre tios, irmãos, vizinhos e o homem da loja da esquina", disse Rania Said.

"A mãe não ajudou"

Um dos casos relatados pelo BBC é o de uma mulher de 36 anos que foi molestada sexualmente pelo marido da sua tia quando tinha 14 anos. Ela tinha ido morar com o casal depois de ter sido espancada pelo pai. "Ele começou a beijar-me a boca e a tocar nos meus seios. Eu não entendi o que ele estava a fazer, porque não sabia o que era essa parte sexual, ninguém tinha conversado comigo sobre isso", recordou. Este assédio continuou várias semanas, relatou a vítima, até que foi encurralada sozinha no seu quarto. "Ele subiu para cima de mim; tentou forçar e eu comecei a gritar. Então ele ficou assustado porque a minha tia estava a dormir no quarto ao lado".

Contou ainda que os seus parentes relativizaram o incidente, sugerindo que era sinal de afeição do tio e não lhe deram apoio. "A minha mãe disse: eu vivi coisas assim e não acho que seja assim tão mau". E disse que não podia denunciar o caso às autoridades. "Se eu o acusasse, mesmo sendo o meu direito, destruiria uma rede familiar e não queria ser culpada por isso".

Em 2017, os deputados tunisinos aprovaram uma lei história para proteger as mulheres contra a violência. Na altura, os observadores chegaram a considerar que se tratava de uma das leis mais progressistas da região e possivelmente do mundo. Isto porque, assim que a denúncia é feita, mesmo que a vítima se arrependa, o procedimento legal prossegue.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...