Fernando Henrique Cardoso: "Torço para que Bolsonaro acerte e não para que erre"

Num excerto da entrevista que irá passar na noite de quarta-feira na RTP3, Fernando Henrique Cardoso assume que o seu coração não balançava nem por Bolsonaro nem por Haddad, não eram o que desejava para o Brasil.

"Sou contrário às tendências de Bolsonaro, mas tenho que torcer pelo Brasil. Tenho que torcer para que ele acerte e não para que erre." A frase é do ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, durante uma entrevista à jornalista Ana Lourenço, que irá passar na RTP3 quarta-feira à noite.

Em Portugal, Fernando Henrique Cardoso - ou FHC, como é conhecido o 34º presidente do Brasil, em funções entre 1995 e 2003, eleito pelo Partido da Social Democracia Brasileira -, disse mesmo, no excerto que a estação de televisão passou esta noite, não lhe caber a ele "fazer críticas ao presidente eleito" quando está "fora do País", argumentando "se tiver que criticar, critico lá".

O ex-presidente, sociólogo, cientista, professor universitário, que foi muito criticado pela ala esquerda do Brasil, por não ter dado apoio formal a Fernando Haddad, na segunda volta de há uma semana contra Jair Bolsonaro, confessou mesmo: "Entre os dois o meu coração não balança", acrescentando que por razões diferentes um e outro não eram o que desejava para o Brasil.

No entanto, acredita que Bolsonaro não levará o país para um regime fascista, aquilo que mais teme é que, de facto, não consiga fazer algo de concreto para tirar o Brasil da situação em que se encontra. FHC recordou que o crescimento do país estagnou, que as desigualdades sociais são muito grandes, que a população empobreceu muito, e aquilo que quer é sempre o mesmo: emprego, educação, saúde, transportes e segurança. E "é isso que tem de ser provido."

Para o povo brasileiro o importante é conseguir-se restabelecer-se a confiança, se não se conseguir isto, não se consegue fazer mudar nada. "A democracia tem de ter um terreno comum" para atender os que mais precisam e para se criar condições para os que estão a gerir o país se estão a agir mal passem a agir bem. "Nem todos são bons ou maus."

O ex-presidente da república sublinhou que algo não está a funcionar bem no sistema político brasileiro, já que nos últimos 20 anos foram eleitos quatro presidentes, incluindo ele próprio, dois saíram por empeachment, Fernando Collor de Melo e Dilma Roussef, e Lula da Silva está preso. Portanto, todos temos responsabilidades por não se ter criado um sistema que controlasse e prevenisse o abuso dos políticos.

Sobre Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso disse nada ter contra ele pessoalmente, que ao longo dos anos muito falou com ele, esteve presente em várias situações da sua vida, na doença e na morte da mulher Marisa, mas que o homem do PT, sempre tão preocupado com a crise, se terá deixado seduzir por outro tipo de pessoas que não as do centro esquerda.

À pergunta sobre se a independência da justiça brasileira ficava beliscada pelo facto de o Juiz Sérgio Moro - que foi considerado um dos pilares da operação anti-corrupção, levando à prisão o anterior presidente Lula da Silva - ter aceitado o convite de Bolsonaro para ministro da Justiça, FHC não respondeu diretamente, argumentando não ter sido o único juiz neste combate, "nunca a Justiça no Brasil foi tão ativa como agora. E não foi só o juiz Sérgio Moro o responsável pela prisão de toda a gente. Houve mais juízes a fazer isso."

Para exercer funções no governo, "Sérgio Moro teve de renunciar à sua posição de juiz, o que acho de grande coragem pessoal", sublinhou.

Sobre se algo vai mudar nas relações entre Brasil e Portugal, o ex-presidente acredita que não, "mesmo que o governo queira mudar alguma coisa, o sentimento entre os dois povos é o mesmo e vai continuar a existir."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.