Exército americano pede desculpa por tweet que caiu como uma bomba

O Comando Estratégico dos Estados Unidos, que supervisiona o arsenal nuclear do país, pediu desculpa por um tweet, em véspera de Ano Novo, em que o exército se dizia pronto a "largar algo muito maior" do que os nova-iorquinos em Time Square.

A mensagem do exército americano foi publicada na véspera do Ano Novo e acompanhada de um vídeo a mostrar um bombardeiro B-2 a lançar bombas. No tweet podia ler-se: "A tradição #TimesSquare toca no #Ano Novo largando uma grande bola... se for preciso, estamos prontos a largar algo muito maior."

A indignação foi muito grande no Twitter e obrigou o Comando Estratégico a apagar a mensagem, classificando-a de "mau gosto", e a pedir desculpa.

As palavras do primeiro tweet foram publicadas horas antes da "queda da bola" do topo do One Times Square, um arranha-céu de Nova Iorque, que marca sempre o início do novo ano. A tradição começou em 1907 e desde então todas as passagens de ano uma uma bola iluminada é lançada do topo do edifício, caindo 43 metros até chegar ao solo, marcando a meia-noite e o início do novo ano.

Críticas

Várias vozes se levantaram contra o polémico tweet do exército americano. O ex-chefe do Gabinete de Ética Governamental dos EUA, Walter M. Shaub Jr, twittou: "Que tipo de maníacos estão a governar este país?"

O autor do livro Pesadelos Nucleares, protegendo o mundo antes que seja tarde, Joe Cirincione, também escreveu: "No início eu não acreditava que isto pudesse ser real. Mas é. È um anúncio da indústria com uma piada doentia. Vergonhoso".

O comando Estratégico dos EUA é um dos 10 comandos unificados do Departamento de Defesa americano. Baseia a sua Base em Offutt, no Nebraska. O slogan do comando é "A paz é a nossa profissão", que também foi usado em forma de hastag no polémico tweet.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.