Ex-apresentador da Fox News suspeito de fraude mudou-se para Portugal

O norte-americano Clayton Morris é acusado de ter burlado vários investidores num esquema em pirâmide.

Acusado de burla e a enfrentar 25 processos legais, Clayton Morris, antigo apresentador do programa Fox & Friends, do canal norte-americano Fox News (o preferido do Presidente Donald Trump), deixou os Estados Unidos e mudou-se para Portugal: estará a morar com a família numa "cidade costeira". A informação foi avançada pelo jornal Indianapolis Star que cita a mulher de Clayton.

Clayton Morris é acusado de usar o chamado esquema em pirâmide em vários negócios imobiliárias - um esquema que consiste em receber investimentos de muitas pessoas prometendo-lhes juros elevados, sem ter capacidade para restituir todos os fundos investidos. Os investidores defraudados não hesitaram em ir para tribunal. Mas o ex-apresentador nega qualquer responsabilidade pelas perdas dos investidores, acusando o seu sócio, Bert Whalen, e a sua empresa, a Oceanpoint.

A 11 de julho, Natali Morris escreveu no seu blogue um longo post sobre os motivos que levaram a família a deixar o país: "No mês passado, eu a minha família mudámo-nos para o estrangeiro. Tínhamos várias razões para o fazer mas, no outro dia, ao preencher o pedido de visto, percebi que a principal motivação era a mesma que levou outras gerações de país a atravessar fronteiras: desejar uma vida melhor para a sua família." "Não sou uma dessas pessoas que odeia a América", garantiu. "Tínhamos uma vida boa. Mas eu e o meu marido tivemos uns anos difíceis nos nossos trabalhos e este desafio coletivo levou-nos a questionar tudo.

Decidiram deixar o país e, como se pode confirmar por esta foto publicada por Natali no seu Instagram, estão em Portugal:

Clayton e Natali deixaram as suas carreiras na televisão para se tornarem "conselheiros financeiros" (ele chegou a ter um podcast sobre o tema) e criaram a Morris Invest, uma empresa de investimento em imobiliário que trabalhavam em parceria com a Oceanpoint. Os clientes entregavam-lhes dinheiro que era usado para comprar casas em ruínas ou em leilões e que, depois de algumas obras, eram arrendadas por valores elevados permitindo, supostamente, uma renda constante durante muito um longo período. Mas os clientes queixam-se de ter investido em propriedades que estavam em muito pior estado do que pensavam sendo depois forçados a vendê-las com prejuízo. Outras pessoas pediram para reaver o seu dinheiro e não receberam nada.

Numa troca de mails com o jornal IndyStar, Natali Morris confirmou que o casal vai continuar a travar as batalhas judiciais do estrangeiro. "Vamos continuar a assumir a nossa responsabilidade em todos os processos judiciais", garantiu. "Não fugimos de nada", acrescentou. "Continuaremos a dar a cara até que o último processo esteja concluído e que seja claro que nunca tivemos o dinheiro da Oceanpoint nem enganámos ninguém." Esses argumentos voltam a ser usados por Natali Morris num post publicado a 16 de julho, no qual se revolta contra as notícias: "Esta coisa da fuga do país é ridícula", escreve, explicando que se quando moravam em New Jersey conseguiam tratar dos processos legais em Indianapolis, não seria o facto de estarem fora do país que iria impedi-los de continuarem a assumir as suas responsabilidades.

No entanto, os investidores e os seus advogados ficaram preocupados com a mudança. Receiam que esta torne mais difícil entregar a Clayton Morris notificações legais bem como obrigá-lo ao pagamento de eventuais indemnizações. "Na opinião dos meus clientes, as pessoas inocentes não fogem do país", afirmou Jynell Berkshire, advogada em Indianapolis, especialista em imobiliário.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?