EUA reveem definição de "contacto próximo" para risco de infeção

A nova orientação inclui múltiplos contactos breves com pessoas infetadas, desde que, no conjunto, ultrapassem os 15 minutos em 24 horas.

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos atualizou sua definição de contacto próximo com um paciente Covid-19, passando a incluir várias exposições breves ao longo de 24 horas, depois de um guarda da prisão de Vermont ter sido, ao que tudo indica, infetado dessa forma.

A nova definição de contacto próximo inclui exposições curtas e repetidas que somem um total de 15 minutos, em 24 horas, passados ​​a dois metros ou menos de uma pessoa infetada. Anteriormente, o CDC definia como situação de contacto próximo a exposição contínua, a menos de 1, 80 metros (six feet) e ao longo de 15 ou mais minutos, a um indivíduo infetado.

Esta nova definição, divulgada na quarta-feira pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), levará a aumentar drasticamente o grupo de pessoas consideradas em risco de serem infetadas pelo vírus.

A agência norte-americana optou por esta atualização após o relatório de um caso positivo na prisão de Vermont, onde um guarda prisional terá sido infetado após várias interações breves com presidiários positivos - nenhuma delas durou 15 minutos, mas aumentando com o tempo.

O agente nunca passava muito tempo com nenhum detido, mas abria e fechava as portas das celas, recolhia a roupa suja, abria portas dos chuveiros e também das salas de recreação, conduzia rastreios de saúde e fornecia medicamentos aos presidiários, reportou Julia Pringle, oficial do CDC que trabalhava com o departamento de saúde de Vermont.

O estabelecimento prisional acolheu seis detidos infetados que não apresentavam sintomas e viajaram desde outras instalações de fora daquele estado enquanto aguardavam os resultados do teste do coronavírus, relatou a equipa liderada por Pringle.

Segundo os cálculos da equipa de saúde, o guarda prisional terá tido 22 contactos curtos, que somaram cerca de 17 minutos de exposição total perante os detidos infetados.

O relatório do caso, também publicado pelo CDC na quarta-feira, sugere que pelo menos um dos seis presidiários transmitiu o vírus ao agente durante um desses breves encontros.

As imagens capturadas por câmaras de vigilância da prisão mostram que o guarda prisional só esteve a menos de dois metros dos presos por curtos períodos de cerca de um minuto de cada vez. Mas quando a exposição total foi contabilizada, excedeu um total de 15 minutos cumulativos.

Os seis presidiários usaram máscaras em algumas, mas não em todas as interações com o policial. "Durante todas as interações, o agente usava uma máscara de pano de microfibra, equipamento e proteção para os olhos (óculos)", escreveu a equipa, referindo que o guarda em questão não teve qualquer outro contacto de risco que pudesse ter sido a fonta da infeção.

O caso levou então o CDC a atualizar sua definição do que constitui um contacto próximo.

"À medida que obtemos mais dados e entendemos a ciência da Covid, vamos atualizando as nossas recomendações", disse Robert Redfield, diretor do CDC.

Originalmente, o contacto que era considerado de alto risco para exposição potencial à Covid era o contacto com alguém infetado a menos de um metro e oitenta por mais de 15 minutos.

"O site do CDC agora define um contacto próximo como alguém que estava a menos de 2 metros de uma pessoa infetada por um total de 15 minutos ou mais, num período de 24 horas. .

Ao anunciar a nova diretriz, o CDC disse que as novas descobertas enfatizam mais uma vez a importância do uso de máscaras. O conselho é ainda mais importante, disse a agência, numa época em que o vírus está em ascensão em três quartos do terrritório dos Estados Unidos.

"Uma máscara pode proteger outras pessoas das partículas que contêm vírus exaladas por alguém que tem Covid-19. Quase metade de todas as pessoas infetadas não apresentam sintomas, então é fundamental usar uma máscara porque você pode estar a transportar o vírus e não saber ", acrescenta o CDC.

"Cada pessoa adicional que usa uma máscara aumenta a proteção individual para todos. Quando mais pessoas usam máscaras, mais pessoas estão protegidas."

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG