EUA. Mais crianças foram mortas com armas de fogo do que polícias e militares em 2017

2.462 crianças morreram devido a armas de fogo, contra 144 polícias e mil militares

As mortes de crianças por armas de fogo têm aumentado significativamente nos Estados Unidos. Segundo o estudo mais recente com foco neste tema, mais crianças foram mortas por armas do que policias em serviço e militares no ativo, no ano de 2017.

"É preocupante que em 2017, 144 policias tenham morrido no cumprimento do dever e que em todo o mundo, cerca de 1.000 militares ativos tenham morrido, enquanto 2.462 crianças em idade escolar foram mortas por armas de fogo", lê-se no estudo.

A equipa de investigação, da Escola de Medicina Schmidt da Universidade Florida Atlantic, avaliou os dados mais recentes do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde e chegou à conclusão que 38.942 crianças, com idades compreendidas entre os cinco e os dezoito anos, morreram em circunstâncias que envolveram uma arma, desde 1999 até 2017.

De acordo com o estudo American Journal of Medicine, 6.464 das crianças que morreram estavam entre os cinco e os catorze anos de idade, fazendo uma média de 340 mortes por ano. As outras 32.478 crianças tinham entre os 15 e os 18 anos de idade, o que faz uma média de 2.050 mortes de adolescentes por ano.

A primeira "epidemia", como é apelidada pelos autores, surgiu em 2009 nas crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 15 anos, enquanto, em 2013, seguiu-se uma segunda onde ocorreu um aumento nas mortes das crianças dos 15 aos 18 anos. Ambas duraram até 2017, o ano mais recente para o qual existem dados.

A partir de 2013, as crianças negras começaram a representar grande parte das mortes, (41%) tento sofrido um aumento significativo em todas as idades.

Apenas em 2% dos casos, a causa foi indeterminada. 61% das crianças morreram num ataque, 32% suicidaram-se e 5% morreram por acidente. Em todas as idades, a causa da morte deveu-se a agressões.

Estudos anteriores comprovam que as taxas de homicídio nos EUA são seis a nove vezes maiores comparando com outros países desenvolvidos e que as armas de fogo são o segundo maior motivo da morte das crianças, depois de acidentes de automóvel.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...