Fundamentalista, implacável e estratega. Quem era o líder do Estado Islâmico?

Os Estados Unidos anunciaram este domingo a morte de Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado islâmico, terrorista procurado há anos pelas forças americanas. "Morreu como um cão", garantiu o presidente Trump.

Em julho de 2014, Abu Bakr al-Baghdadi apareceu num vídeo pela primeira vez com a cara destapada. A situação era importante: al-Baghdadi anunciou a criação de um "califado" e proclamou-se "califa" de todos os muçulmanos e líder do Estado Islâmico - que dominava um terço do Iraque e metade da Síria. Este foi o momento em que o seu nome e o seu rosto se tornaram conhecidos em todo o mundo, mas para os militares e serviços secretos norte-americanos ele já era "um velho amigo".

Baghdadi, que foi abatido no sábado pelas forças norte-americanas numa operação especial levada a cabo em Idlib, no nordeste da Síria, era nada mais nada menos do que o homem mais procurado do mundo. Em outubro de 2011, os Estados Unidos designaram-no oficialmente como "terrorista" e ofereceram uma recompensa de 10 milhões de dólares (nove milhões de euros) por informações que pudessem levar à sua captura ou morte. Em 2017, esse valor foi elevado para 25 milhões de dólares (22,5 milhões de euros). O mesmo valor que tinha sido atribuído a Bin Laden, que foi morto em 2011 numa operação dos Navy SEALS em Abbottabad no Paquistão.

Este domingo de manhã, na conferência de imprensa sobre a operação, o presidente do EUA, Donald Trump, afirmou que ele "morreu como um cão", "como um cobarde, não como um herói" pois, quando os soldados americanos entraram na casa onde se encontrava escondido, o líder do EI fugiu por um túnel, com três dos seus filhos pequenos, e, perseguido, gemia, gritava e chorava até que, ao ver-se sem saída, acionou o colete com explosivos que tinha vestido matando-se a si e às crianças. No entanto, esta imagem não corresponde àquela que, até agora, tínhamos de Baghdadi.

Mas quem era, afinal, Abu Bakr al-Baghdadi?

Baghdadi nasceu perto de Samarra, uma região pobre ao norte de Bagdad (no Iraque), em 1971, e o seu nome verdadeiro é Ibrahim Awad al-Badri. Na juventude, os familiares chamavam-lhe "o crente" porque passava muito tempo na mesquita a aprender a recitar o Corão e porque era muito crítico com todos os que não cumpriam a Lei Islâmica (Sharia)

Aquando da invasão liderada pelos EUA em 2003, ele era clérigo numa mesquita em Bagdad. Terá sido durante o período de pós-graduação, quando concluiu o mestrado e o doutoramento em Estudos do Alcorão na Universidade Saddam Hussein para Estudos Islâmicos, no Iraque, que se envolveu com grupos islâmicos radicais e, portanto, já era um jihadista militante durante o governo de Saddam Hussein.

Foi detido em julho de 2004, perto da cidade de Falluja, no Iraque, numa operação que tinha como alvo o seu cunhado, que fazia parte da resistência armada à ocupação norte-americana. Os americanos libertaram-no 11 meses depois pensando que ele era apenas um agitador civil e não uma ameaça militar. No entanto, vários especialistas acreditam que foi durante a sua detenção em Camp Bucca, uma instalação americana no sul do Iraque, onde muitos comandantes do grupo da resistência iraquiana Al-Qaeda estiveram presos, que Ibrahim Awad al-Badri se radicalizou.

Durante algum tempo não se soube dele mas é provável que tenha entrado em contacto com os líderes da Al-Qaeda e que tenha estado na fundação do chamado Estado Islâmico do Iraque. Até que em 2009 as forças de segurança apreenderam uma série de documentos numa das casas usados pelo Estado Islâmico onde se referia "Abu Dua", que era na altura o seu nome de guerra.

Em maio de 2010, os insurgentes do Estado Islâmico do Iraque, o grupo rebelde que havia sido criado em 2003, anunciaram o nome do seu novo líder: Abu Dua que agora se apresentava como Abu Bakr al-Baghdadi.

A partir daí assiste-se a uma escalada de violência, com vários bombistas suicidas e explosões de veículos no Iraque. Ao mesmo tempo, o Estado Islâmico do Iraque envia homens para a Síria e apoia a revolta contra Bashar al-Assad, tornando-se um dos principais aliados da Frente al-Nusra. Em julho de 2012, al-Baghdadi publicou online uma gravação áudio anunciando que o grupo estava a voltar aos antigos redutos de que as tropas norte-americanas e seus aliados sunitas os tinha expulsado em 2007 e 2008. Também declarou o início de uma nova ofensiva no Iraque para libertar membros do grupo detidos nas prisões iraquianas.

Enquanto na Síria os combates entre grupos rebeldes moderados e jihadistas vieram juntar-se a uma guerra civil que começou com protestos para derrubar o presidente Bashar al-Assad mas rapidamente provocou o caos no país e já fez mais de 12 milhões de mortos, refugiados e deslocados internos, no Iraque o ISIS (como o Estado Islâmico também é conhecido) conquistou diversos territórios, incluindo Mossul, o que levou os Estados Unidos a fazerem uma série de bombardeamentos. O ​​​​​​processo culminou com a autoproclamação do califado do Estado Islâmico, com um território abrangendo parte da Síria e do Iraque, em 2014. "Deus ordenou-nos que lutássemos contra os nossos inimigos", disse o "Califa Ibrahim, comandante dos fiéis", filmado como se estivesse a dar um sermão na Grande Mesquita de al-Nuri, em Mossul.

Milhares de voluntários, do Iraque e da Síria, mas também de outros países, juntaram-se ao grupo que se tornou conhecido pelas atrocidades contra as minorias religiosas e ataques terroristas em cinco continentes em nome de uma versão ultra-fanática do Islão. A violência extrema (foram divulgadas imagens de decapitações de reféns de países como Estados Unidos, Grã-Bretanha e Japão) causou o terror. O genocídio de Yazidis, adeptos de uma das religiões mais antigas do Oriente Médio, ilustra bem a brutalidade do governo de al-Baghdadi. Milhares de homens foram massacrados na montanha ancestral Sinjar, no noroeste do Iraque, e muitas mulheres foram mortas ou tornadas escravas sexuais. O Estado Islâmico também assumiu a responsabilidade por ter inspirado uma série de ataques terroristas por tudo o mundo, em cidades como Paris, Nice, Orlando, Manchester, Londres e Berlim, e em países vizinhos como a Turquia, Irão, Arábia Saudita e Egito.

De acordo com vários relatos, Baghdadi era um estratega bastante eficaz e implacável no campo de batalha. Obcecado com a sua segurança, vivia em reclusão e sempre rodeado por forças de segurança. Acredita-se que deixou de usar telemóveis há mais de uma década, enviando mensagens escritas em papel e entregues em mão. Também há testemunhos de que sofria de diabetes e que, devido a vários ferimentos no corpo, tinha dificuldade em mover-se sozinho.

No auge do seu poder, o Estado Islâmico dominava milhões de pessoas num território que se estendia desde o norte da Síria até à capital do Iraque, Bagdad.

A partir de 2016, o Estado Islâmico sofreu várias derrotas e foi perdendo o seu domínio territorial. Em dezembro de 2017, após uma série de ofensivas nas regiões oeste e norte do Iraque, o governo local afirmou que o Estado Islâmico havia sido "expulso" do país, embora ações em forma de guerrilha permanecessem em alguns locais. Na Síria o EI também sofreu pesadas baixas e perdeu várias cidades. No entanto, o Estado Islâmico continuava a ter células ativas e mantinha a sua influência no Médio Oriente; além das atividades militares acredita-se que controla a maioria das atividades ilegais na região, como o tráfico de droga e a prostituição.

Os discursos de Baghdadi: a fé usada como arma

Nos últimos anos, o líder do Estado Islâmico já foi dado como morto várias vezes e, de cada vez, ele voltou a aparecer: em mensagens de vídeo ou de voz. Depois de uma mensagem de voz em novembro de 2016, uma outra foi partilhada setembro de 2017: tinha 46 minutos e foi transmitida no mercado al-Furqan para incentivar os seus "jihadistas" a continuarem a lutar, apesar de terem perdido a cidade de Mossul, no norte do Iraque. Nesse período, o EI sofreu uma série de grandes reveses no Iraque e na Síria, perdendo o controlo de vastas áreas de território que se encontravam sob o seu controlo em ambos os países. "Essa provação é uma generosa dádiva de Deus", afirmou Al-Baghdadi.

Em julho de 2018, partilhou novamente uma mensagem de voz de 55 minutos através da rede mensagens instantâneas Telegram, em que pedia aos seus seguidores para continuarem a jihad (guerra santa) e para resistirem à perda de controlo territorial no Iraque e na Síria. Abu Bakr al-Baghdadi dizia que os jihadistas estavam a ser testados por Alá e deviam manter-se unidos. Os que "pacientemente resistirem" ao "medo e à fome" serão "presenteados com boas novas" no futuro, acrescentava na mensagem divulgada por ocasião do Eid al-Adha, o festival muçulmano que marca o fim do Hadj (peregrinação realizada à cidade santa de Meca pelos muçulmanos). "Para os crentes mujaedines, a dimensão da vitória ou da derrota não depende da contabilidade das cidades que são tomadas, da superioridade aérea, dos mísseis intercontinentais, das bombas inteligentes ou quantidade de seguidores. A verdadeira escala da vitória depende da fé que os crentes têm".

Em abril deste ano, depois de uma ausência de cinco anos, o Estado Islâmico divulgou um vídeo de 18 minutos de um homem dizendo ser Baghdadi, confirmando que ainda estava à frente do Estado Islâmico e que os ataque iriam continuar. Estava sentado no chão de uma sala de estar de estilo árabe, falando a um grupo de seguidores não identificados, com uma arma ao seu lado.

A última mensagem de voz de Baghdadi tinha sido divulgada a 16 de setembro. Tinha 30 minutos e nela o líder terrorista dizia que os EUA e o seus representantes tinham sido derrotados no Iraque e no Afeganistão e que agora tinham sido "arrastados" para o Mali e Nigéria.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG