PERFIL: O combatente anti-russo e o rosto do terrorismo contra os EUA

Herói mujaidine anti-russo e rosto do terrorismo contra alvos dos Estados Unidos, Usama bin Laden é considerado o principal responsável pelos atentados de 11 de Setembro de 2001.

O líder da Al-Qaida, morto hoje numa operação militar norte-americana no Paquistão, nasceu em Riade, na Arábia Saudita, em 1957. Foi o 17.º filho dos 50 de Mohamed Bin Laden, um magnata da construção próximo da família real saudita.

A mãe, Síria, e o pai mantiveram uma educação islâmica estrita o que, segundo vários especialistas, acabou por condicionar o futuro de Usama. Pai de cerca de 20 crianças de cinco mulheres, Bin Laden casou-se com a primeira, uma prima, aos 17 anos e usou parte da fortuna para apoiar o combate contra a invasão soviética do Afeganistão, na década de 1980, mantendo-se ao lado do mentor, Abdullah Azzam.

No final da guerra e depois de ter sido recebido na Arábia Saudita como um herói mujaidine, Bin Laden forma a Al-Qaida (A Base). Quando o Iraque invadiu o Kuwait em 1990, a Arábia Saudita virou-se para os Estados Unidos e Bin Laden abandonou o país onde nasceu. Seguiu para o Sudão onde se reuniram muitos dos seus apoiantes.

O nome surge pouco depois relacionado com um grupo da "jihad" islâmica do Egipto, liderado por Ayman al-Zawahiri. Quando o grupo tentou assassinar Hosni Mubarak em 1995, foi expulso do Sudão. Bin Laden regressou ao Afeganistão onde, protegido pelo regime talibã, começa a instalar os primeiros acampamentos de treino para as ações globais da Al-Qaida.

Na lista dos mais procurados do FBI, Bin Laden é ainda conhecido como "o príncipe", "o emir", Abu Abdallah, Mujahid Shaykh, Hajj, e até "o director". O seu nome é relacionado com alguns dos principais ataques terroristas contra os Estados Unidos, incluindo os das embaixadas em Dar es Salaam (Tanzânia) e em Nairobi (Quénia) em 1998 e o ataque contra o USS Cole, em 2000.

Bin Laden é considerado o autor moral dos atentados contra as Torres Gémeas em Nova Iorque, em 2001, passando então a ser o principal alvo da "guerra contra o terror", iniciada pelo anterior Presidente norte-americano George W. Bush.

Várias vezes, no passado, chegou a falar-se da morte de Bin Laden mas, apesar da oferta de uma recompensa de 25 milhões de dólares, nunca foi apanhado. Morreu hoje numa operação militar norte-americana no Paquistão e o corpo foi lançado ao mar, noticiou a imprensa norte-americana.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG