Trump ainda pondera ação militar contra Irão. "Está sempre em cima da mesa"

Presidente dos EUA garante que o seu país e o Irão serão "os melhores amigos" se este renunciar ao seu programa nuclear. Esta semana, o clima de tensão entre as duas nações intensificou-se, após o Irão ter abatido um drone americano. Donald Trump promete pôr em prática sanções já a partir de segunda-feira.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse este sábado que ainda está a ponderar uma ação militar contra o Irão, depois de ter anunciado um ataque e de o ter cancelado de seguida.

"[O uso da força] está sempre em cima da mesa, até resolvermos isto", avisou, citado pela agência americana AP.

Na quinta-feira, depois da confirmação de que o Irão tinha abatido um drone americano - que, segundo Teerão, violou o espaço aéreo nacional, mas, de acordo com Washington, estava em espaço aéreo internacional -, Donald Trump anunciou, como retaliação, um ataque contra três locais no Irão. Porém, o ataque foi abortado, à última hora, segundo Trump para evitar um elevado número de mortos.

"Não quero matar 150 iranianos. Não quero matar 150 pessoas de sítio nenhum, a não ser que seja absolutamente necessário", disse aos jornalistas, à saída da Casa Branca para um fim de semana na residência presidencial de Camp David.

Trump considera que o abate do drone foi "provavelmente intencional", mas, ao mesmo tempo, considerou "sábia" a decisão anunciada por Teerão de não abater um avião militar americano com 38 pessoas a bordo, que terá violado o espaço aéreo iraniano na mesma altura.

Horas depois de dizer que se a república islâmica renunciar ao programa nuclear tornar-se-ia o seu "melhor amigo", o presidente norte-americano anunciou que irá impor novas sanções ao Irão a partir de segunda-feira.

"Vamos pôr em prática grandes sanções adicionais contra o Irão, na segunda-feira", anunciou Trump através da rede social Twitter.

O clima de tensão entre o Irão e os Estados Unidos dura há bastante tempo, mas a crispação tem aumentado desde que Donald Trump retirou os Estados Unidos, há um ano, do acordo nuclear internacional assinado, em 2015, entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança - Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China (mais a Alemanha) - e o Irão, restaurando sanções devastadoras para a economia iraniana.

Donald Trump assegurou que os Estados Unidos serão "os melhores amigos" do Irão se este renunciar ao seu programa nuclear. Mas, enquanto tal não acontece, Washington continuará "a somar sanções económicas", frisou.

Na sexta-feira, os Estados Unidos pediram a realização de uma reunião à porta fechada do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para falar sobre os últimos desenvolvimentos relacionados com o Irão, o que deverá acontecer na segunda-feira.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG