Erro informático envia dados confidenciais para criminosos no Colorado

Centenas de criminosos, fugitivos e pessoas que enfrentam acusações em tribunais no Colorado receberam por erro cartas com informação judicial confidencial sobre os seus casos, incluindo mandados de detenção e listas de testemunhas

A Administração do Tribunal Estatal de Colorado estima que tenham sido enviadas cartas com informações confidenciais a 1.500 acusados de crimes, devido a um erro informático.

O promotor George Brauchler, do 18.º Distrito Judicial, referiu que ainda que o problema esteja resolvido, há casos como o de homens acusados de abuso sexual de menores que fugiram do país depois de receber a informação por erro.

George Brauchler acrescentou que a polícia e oficiais de justiça locais o informaram de outro caso, no qual foram prender um fugitivo e este já os esperava, porque sabia do mandado de detenção através de uma carta que chegou por equívoco.

Investigações posteriores ao sucedido revelaram que quase 100 casos, no sudoeste de Denver, no qual os acusados ou fugitivos já sabiam que os juiz tinha emitido uma ordem de detenção.

A informação divulgada também inclui nomes e moradas das vítimas, testemunhas ou denunciantes.

Em declarações aos jornalistas, o promotor destacou a gravidade da situação, sublinhando que os acusados "sabem quem foram as testemunhas e quem fez as denúncias", além de saberem "que as forças de segurança os estão a procurar".

"Vai ser incrivelmente improvável que se faça justiça nestes casos em particular", considerou.

O problema terá surgido quando uma atualização do programa de computador que os juízes usam para emitir os mandados de detenção marcou automaticamente a opção de enviar a informação sobre os casos para os acusados.

Os juízes possuem a opção de retirar essa seleção, mas vários não o fizeram.

Segundo a Administração do Tribunal Estatal do Colorado, o programa já foi alterado e não seleciona a opção de enviar as informações para os acusados.

Entretanto, as autoridades implementaram um plano conjunto a nível estatal para proteger as vítimas, denunciantes e testemunhas, informou a administração.