Erdogan e Putin: Síria, segurança, vistos e tomate

Presidente russo anunciou que as relações entre Moscovo e Ancara, tensas desde novembro de 2015, foram normalizadas

Vladimir Putin afirmou ontem que a relação da Rússia com a Turquia já recuperou totalmente, depois do que ele chamou de uma crise causada pelo abate levado a cabo por Ancara de um avião russo perto da fronteira com a Síria em novembro de 2015. Como retaliação, Moscovo aplicou sanções económicas e Ancara respondeu na mesma moeda.

Esta declaração de paz foi feita após um encontro entre o presidente russo e o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan em Sochi. "Há algum tempo, os nossos laços bilaterais, como é sabido, foram testados. Agora podemos dizer com certeza que o processo de recuperação dos laços russo-turcos está completo", disse Putin após a reunião na cidade russa do mar Negro.

No que diz respeito às sanções económicas, Erdogan adiantou que ele e Putin concordaram levantar todas as restrições comerciais, exceto a exportação de tomate turco para a Rússia. O presidente da Turquia garantiu querer ver tomate turco na Rússia e adiantou que poderá ser encontrado. Putin declarou também que, para já, irão manter-se as restrições de vistos para cidadãos turcos. Sobre este tema, o vice-primeiro-ministro, Arkady Dvorkovich, informou que a Rússia vai retomar a exportação de cereais para a Turquia nos próximos dias, mas que as restrições à compra de tomate turco irão manter-se nos próximos três a cinco anos.

A Síria foi também discutida pelos dois líderes, com Erdogan a afirmar que a Turquia irá continuar a tomar medidas contra as ameaças das suas fronteiras com este país, mas também com o Iraque. E voltou a dizer que Ancara considera a milícia curda na Síria YPG, que tem o apoio dos EUA na luta contra o Estado Islâmico, um grupo terrorista. "Não fazemos distinção entre grupos terroristas. Daesh, YPG, Al-Qaeda... são todos iguais para nós", sublinhou o presidente turco. Já Putin deixou claro que a ideia de criar zonas seguras para proteger civis sírios dos combates tem um amplo apoio, mas que são precisas mais discussões para ultimar detalhes de como estas áreas poderão funcionar.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG