Henrique Cardoso. "No Brasil de hoje quem é grande chefe? Não sei. Os que existiam estão na cadeia"

O antigo presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso afirma que a economia do Brasil está "estagnada" por erros políticos. Apela a uma reforma do Estado e diz que Moro precisa de mais para ser bom governante.

"A nossa economia está estagnada, não está crescendo, está andando para trás há alguns anos, designadamente desde o segundo mandato da Presidente Dilma Rousseff", afirmou Fernando Henrique Cardoso, em entrevista à Lusa em Lisboa, onde se deslocou esta semana para participar numa conferência internacional sobre droga.

"A taxa de desemprego é muito elevada. É por volta de 12 a 13% da população ativa", afirmou, considerando que o país vive "uma situação difícil, que requer medidas para restabelecer o crescimento".

O sociólogo propõe mudanças estruturais: No Brasil, "o modelo de utilização de recursos gerados pela economia é um modelo desigual, muito desigual. Então ao mesmo tempo têm de se tomar medidas que aliviem esta desigualdade".

Por isso, é preciso investir no bem-estar das pessoas, na saúde, educação e também na segurança pública, considerou.

O ex-presidente, cujo mandato ficou marcado pelas privatizações e a consolidação do Plano Real para a estabilização da moeda brasileira, apontou o dedo aos erros políticos e à conjunta internacional como os principais motivos para a crise sistémica

O Brasil tem uma economia alicerçada na agricultura e exploração de minérios. "Ora nós não controlamos o preço nem de um nem de outro [setor] , são commodities, que quem controla é o mercado internacional", afirmou.

No seu entender, o país "é, talvez, o país mais industrializado da América Latina, mas talvez nós não tenhamos os elos com a inovação necessários e o mundo moderno inova muito", disse, dando o exemplo daquilo que classificou como a "revolução da inteligência artificial" ligada à indústria, em que o "Brasil está um pouco à margem desse processo".

A crise das finanças públicas está a provocar um aumento da dívida pública: "o endividamento é crescente e o governo gasta mais do que recolhe. E recolhe menos porque a economia não cresce, mas sobretudo porque as reformas não foram feitas, especialmente as da previdência social e a tributária".

"Então não são problemas só de conjuntura, mas há problemas de orientação" interna que contribuem para a crise, considerou.

"No Brasil o que mais falta neste momento é estratégia, para onde é que nós vamos. Dá impressão que estamos fazendo uma transição, mas não se sabe para que lado vai, o que é que vai ser a alavanca que vai restabelecer a confiança", disse à Lusa Fernando Henrique Cardoso.

Na sua opinião, "os grandes erros começaram no Governo de Dilma Rousseff, em que se instalou a ideia de que se pode consumir sem produzir", mas o "governo atual não conseguiu restabelecer essa confiança. E esse é o problema mais sério que existe no momento"

"Sem confianças não há investimento e sem investimento não há emprego, não há renda que aumente. E essa é a questão central", avisou o ex-chefe de Estado, que admitiu que essa falta de confiança se reflete também na capacidade de atração de investimento estrangeiro, nomeadamente português.

Moro juiz e reforma política

Fernando Henrique Cardoso disse que o seu país está num processo de "transição" para novas lideranças e defendeu uma grande reforma política, aproximando eleitos de eleitores. No caso do Brasil, a nível político, "não só as instituições têm de se renovar como as gerações têm de se renovar", afirmou em entrevista à Lusa Fernando Henrique Cardoso, que foi Presidente entre 1995 e 2003.

"Os tribunais estão funcionando, o congresso está tomando decisões e a liberdade se manteve. Alguns setores estão assustados, e têm lá as suas razões, mais pela verbalização do que pela ação", do atual Presidente, considerou Fernando Henrique Cardoso. No "desenho das instituições [políticas] tem alguma coisa que não está funcionando. Eu acho que é preciso uma reforma viável", afirmou.

E para que essa reforma avance, é necessário levar o povo a acreditar nos partidos, defendeu Fernando Henrique Cardoso. Neste contexto, disse que "a reforma mais importante é mudar o voto, fazer o voto distrital misto, para aproximar mais o eleitor do seu representante", em vez de ter por base a eleição por estado.

Na opinião do antigo chefe de Estado do Brasil, não pode continuar a existir a distância que hoje existe entre as duas figuras. Porque "o eleitor vota e esquece em quem votou". "Você vota numa lista enorme de pessoas e a base eleitoral é o estado. Ora, só o estado de São Paulo tem 45 milhões de habitantes", explicou. Por isso, o antigo chefe de Estado defendeu que "a reforma política sensata é introduzir o voto distrital misto, para fortalecer partidos".

"É preciso ter instituições fortes, que garantam a continuidade, porque o grande chefe morre. No Brasil de hoje quem é que é grande chefe? Não sei. Os que existiam estão na cadeia. O Lula foi, mas está na cadeia. Então o melhor caminho não é o dos líderes carismáticos", afirmou. Por isso, lamentou que o Governo atual, liderado por Jair Bolsonaro, nada tenha feito para a reforma das instituições políticas.

"Ele [Bolsonaro] propôs a reforma da previdência, que já foi proposta por mim, pelo presidente Temer e por outros. Esta reforma é importante, mas a fundamental é a política", afirmou Henrique Cardoso. Depois da nova Constituição do Brasil, texto no qual Fernando Henrique Cardoso também participou, "a preocupação e horror na política no Brasil era a autocracia, e então deu-se muita liberdade à formação de partidos", recordou. Por isso "o sistema brasileiro foi-se fragmentando", com 25 partidos legalizados", que passaram a "ser corporações, interesses dos próprios parlamentares", explicou o antigo Presidente.

Sobre o ministro da Justiça, o antigo juiz Aldo Moro, afirma que é "um bom juiz", mas precisa de mais para ser um bom governante. "Eu conheço pouco Moro, vi-o algumas vezes, mas ele é juiz, eu acho que correto, procura ser, agora ministro é outra coisa. É preciso uma vivência política", afirmou Fernando Henrique Cardoso em entrevista à Lusa em Lisboa, onde se deslocou esta semana para participar numa conferência sobre droga.

Sérgio Moro "tem um sentido histórico importante. Pela primeira vez, gente rica e poderosa no Brasil foi para a cadeia, em grande número. E não foi só ele [o responsável por isso], mas a Justiça. E ele simboliza isso". Por isso, "mexer com Moro, mexe ao mesmo tempo nessas questões", alertou.

Manter ligação à CPLP

Fernando Henrique Cardoso defendeu hoje que é "importante" o seu país manter-se na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mas acha que o atual Governo brasileiro não vê interesse na organização. "Como atitude é bom que o Brasil se mantenha na CPLP. Economicamente não, mas culturalmente é importante. Mas os brasileiros muitas vezes não sabem disso", afirmou Fernando Henrique Cardoso em entrevista à Lusa em Lisboa.

Porém, o ex-Presidente não vê que a organização "tenha interesse" para o atual governo brasileiro, liderado por Jair Bolsonaro. "O governo de Bolsonaro não demonstrou até agora, na política externa, outros interesses que não sejam com os Estados Unidos. Com o mundo ocidental cristão". Ora, sendo o maior cliente do Brasil a China, "esse é um problema objetivo", afirmou.

Para o antigo Presidente, o seu país "não pode tomar uma posição antecipadamente a favor de um dos lados (...). Temos é que ver qual é o nosso interesse nacional". Mas, neste momento o Brasil está "um pouco paralisado por uma luta ideológica, que não tem nada a ver com o interesse real das pessoas do Brasil", referiu.

"Eles inventaram um fantasma, um mundo antiocidental, anticristão", afirmou, referindo-se ao atual executivo brasileiro. Ainda em relação à CPLP aponta que o Brasil tem interesse direto em alguns países de África: "Na CPLP o que contava mais para nós era Angola e um pouco de Moçambique", em termos económicos.

Mas esse interesse diminuiu, também graças à Lava Jato, considerou Henrique Cardoso, a mega operação de investigação anticorrupção levada a cabo no Brasil, que conduziu muitas das figuras do mundo empresarial e político do Brasil à prisão nos últimos anos.

"Empresas brasileiras que se multinacionalizaram sofreram com o processo da Lava Jato. Esse foi também um erro da Lava Jato, porque não responsabilizaram só os empresários, acabaram com as empresas, e isso é ruim para o país. Nós perdemos instrumentos de ação empresarial", afirmou Henrique Cardoso.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.