Encontrado submarino nazi desaparecido durante a II Guerra Mundial

O submarino alemão U-3523 desapareceu durante o conflito, o que levou a especular-se que teria fugido para a América do Sul cheio de tesouros

Volvidos 73 anos, ainda se continuam a revelar mistérios da II Guerra Mundial. Um deles era o que teria acontecido ao submarino alemão U-3523 desaparecido a 6 de maio de 1945, e que agora foi encontrado a norte da Dinamarca, submerso a 123 metros de profundidade.

Muito se especulou sobre o seu destino. Segundo o Sea WarMuseum da Dinamarca, que deu a notícia do achado através de um comunicado no seu site, no dia anterior ao desaparecimento da embarcação, as forças alemãs na Dinamarca haviam se rendido. Logo, este não estaria em guerra, mas provavelmente iria em fuga.

Depois da guerra, houve muitos rumores sobre os principais nazis terem fugido em submarinos com espólios do conflito. Sendo na altura o U-3523 a embarcação mais avançada, era legítimo imaginar-se que este teria fugido carregado de tesouros para a América do Sul.

"Tem havido muita conversa sobre o ouro dentro do submarino e o facto de que ele deixou a Alemanha depois do fim da guerra", disse Gert Normann Andersen, diretor do museu, citado pelo ABC .

Porém, não foi isso que aconteceu. Segundo o comunicado, a embarcação terá sido afundada, enquanto se dirigia para o país escandinavo, por um Libertador Britânico B24. A bordo seguia uma tripulação de 58 pessoas. Todos morreram.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.