Elon Musk: o ano doloroso, o tweet que lançou o caos e as drogas para dormir

O fundador da Tesla contou numa entrevista ao 'The New York Times', em que alternou entre risos e lágrimas, que este tem sido um ano "excruciante"

O presidente e diretor executivo da Tesla, Elon Musk, alega que este tem sido um ano "excruciante", o "mais difícil e mais doloroso" da sua carreira, queixando-se de como o trabalho está a interferir com a sua vida privada. Mas defende a sua decisão de enviar um tweet, a 7 de agosto, que levou à subida das ações da empresa de fabrico de carros elétricos e aumentou o escrutínio do regulador, dizendo que não estava sob efeito de drogas.

A 7 de agosto, Musk escreveu no Twitter que estava a "considerar" tirar a Tesla da bolsa, pagando 420 dólares por cada ação. "Financiamento garantido", acrescentava.

Numa entrevista ao The New York Times , o presidente e diretor executivo da Tesla de 47 anos explicou que esse valor resultava de um arredondamento do valor que representava um prémio de 20% por ação. "Parecia ter melhor karma a 420 dólares do que a 419 dólares", indicou.

Acontece que, nos EUA, 4/20 é um código para marijuana, levando as pessoas a dizer que ele estaria debaixo de influência de drogas. "Não estava sob o efeito de erva, vamos ser claros. A erva não ajuda na produtividade. Há uma razão para a palavra 'pedrado'. Ficas ali como uma pedra quando fumas erva", disse ao The New York Times, indicando que enviou a mensagem na rede social quando estava no carro, a caminho do aeroporto, numa tentativa de transparência.

Semanas de 120 horas de trabalho

Musk explicou que tem estado a fazer semanas de 120 horas de trabalho, não estando afastado mais do que uma semana das suas empresas desde 2011, quando esteve de cama, com malária. "Houve tempos em que não deixei a fábrica durante três ou quatro dias, dias em que não ia à rua", disse, falando em como isso tem dificultado estar próximo dos cinco filhos ou dos amigos.

Por causa do trabalho, passou o 47º aniversário (28 de julho) na fábrica da Tesla e quase ia perdendo o casamento do irmão na Catalunha (chegou duas horas antes e partiu assim que a cerimónia acabou, apesar de ser o padrinho do noivo).

"Este último ano tem sido o mais difícil e doloroso da minha carreira. Foi excruciante", afirmou. "Pensava que o pior tinha passado, pensava que sim. O pior do ponto de vista operacional da Tesla já passou. Mas de um ponto de vista pessoal, o pior ainda está para vir", disse Musk.

Numa entrevista em que se emocionou várias vezes, Musk revelou que quando não está a trabalhar acaba por recorrer a Ambien (um dos nomes comerciais do zolpidem, usado no tratamento de insónias). "É muitas vezes a escolha entre não dormir ou Ambien", disse, com o jornal a indicar que esse comportamento preocupa o conselho de administração.

"Financiamento garantido"

A Tesla teve perdas recorde de 709,6 milhões de dólares no primeiro trimestre do ano e está a passar por dificuldades no fabrico do último modelo do seu carro elétrico. O tweet de Musk levou a Tesla a subir 11% na bolsa, acabando os investidores por o processar, alegando que a mensagem era enganadora e destinada a "dizimar" os short-sellers - investidores que apostam que o valor de ações vai perder valor.

Quando enviou a mensagem de que tinha o "financiamento garantido", Musk indicou ao The New York Times que se referia a um potencial investimento do fundo do governo da Arábia Saudita, mas este ainda não se comprometeu em investir. Segundo o jornal, outra hipótese é que a Space X, a empresa de construção de foguetões espaciais, possa pagar o negócio da Tesla, assumindo o controlo da construtora de carros elétricos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...