Duques de Cambridge retiram placa de quadro para não ofender casal Obama

O título do quadro, do artista Aelbert Cuyp, do século XVII, inclui a palavra "negro".

Os duques de Cambridge receberam na sexta-feira a visita do casal Obama para um jantar informal. E, para não ofender as visitas, retiraram a placa com o nome de um dos quadros que têm na sala e disfarçaram colocando um candeeiro a tapar a zona. A obra, do século XVII e assinada por Aelbert Cuyp, chama-se "The Negro Page". Tem por isso, a palavra "negro", com forte conotação racista nos Estados Unidos.

Foi um assistente do Palácio de Kensington que se apercebeu da placa. "Ninguém queria ofender os Obama, pelo que se recorreu a uma chave-de-fendas para remover o título do quadro", disse uma fonte do jornal The Sun. Além disso, a equipa colocou uma planta e um candeeiro a tapar o local onde estava a dita placa.

A obra em causa, um quadro a óleo, tem o título alternativo "A Page and Two Horses" e mostra um jovem escravo.

Barack e Michelle Obama jantaram com o príncipe William e a mulher, Kate Middleton, na sexta-feira, e conheceram o príncipe George. A imagem que mostra o filho dos duques de Cambridge a cumprimentar o presidente dos Estados Unidos de roupão foi o que mais deu que falar nessa ocasião. No entanto, a imprensa inglesa também aproveitou para analisar à lupa a sala de estar, evidenciando as garrafas de bebidas que estavam sobre uma mesinha de apoio ou as fotografias expostas no mobiliário.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.