Premium Do café suíço onde Lenine conspirou só resta a placa a homenagear os opositores portugueses

Na Landolt, em Genebra, se planeou muito da revolução russa de 1917. Mas também ali se reuniam o grupo de Medeiros Ferreira e Maria Emilia Brederode dos Santos

Junto à Universidade de Genebra, onde em tempos existiu a Brasserie Landolt que nos primeiros anos do século XX serviu de base às conspirações de Lenine, está agora um prédio moderno, cujo rés-do-chão é ocupada pelo Takumi, um restaurante japonês. Não sobra nada da cervejaria histórica, que surge nas biografias do revolucionário russo, mas no exterior continua a placa que homenageia os opositores portugueses que nas décadas de 1960 e 1970 ali conspiravam contra o fascismo português. Foi colocada em 1999, para assinalar os 25 anos do 25 de Abril.

"Lembro muito bem do Landolt. Íamos lá muito, nem sempre para as tais conspirações políticas, às vezes só mesmo para conversar. Para tertúlias. O café era famoso por causa de Lenine e até se falava de uma mesa onde ele se sentava sempre nos anos de exílio na Suíça", diz ao DN Maria Emília Brederode dos Santos, que fazia parte do grupo de opositores portugueses que a tal placa recorda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.