Desmond Tutu critica silêncio de Suu Kyi e pede-lhe que defenda os direitos humanos

Nas últimas duas semanas, 270.000 'rohingya' fugiram de Myanmar para o Bangladesh devido à violência dos combates entre o exército birmanês e a rebelião do Exército de Salvação do Estado Rohingya

O arcebispo sul-africano e Nobel da Paz Desmond Tutu criticou o silêncio de Aung San Suu Kyi face à perseguição da minoria muçulmana 'rohingya' e exortou-a a intervir "na crise que se agrava" na Birmânia.

Nas últimas duas semanas, 270.000 'rohingya' fugiram da Birmânia para o Bangladesh devido à violência dos combates entre o exército birmanês e a rebelião do Exército de Salvação do Estado Rohingya, segundo a ONU.

Mais de um milhão de 'rohingyas' vivem no estado de Rakhine, noroeste da Birmânia, país que os discrimina e persegue há décadas.

O arcebispo, de 85 anos, publicou na quinta-feira nas redes sociais uma carta que enviou à primeira-ministra birmanesa, também distinguida com o Nobel da Paz, na qual diz ter-se visto obrigado a falar face ao "horror crescente" e à "limpeza étnica" em Rakhine.

Tutu dirige-se a Suu Kyi como "cara irmã" e refere a admiração que há anos sente por ela, mas insta-a a intervir.

"Estou idoso, decrépito e formalmente aposentado, mas quebro o meu voto de manter o silêncio sobre a vida pública devido a uma tristeza profunda", escreveu.

"Durante anos mantive uma fotografia sua na minha secretária para me lembrar da injustiça e do sacrifício que teve de suportar por amor e compromisso com o povo da Birmânia. A senhora simbolizava a virtude", acrescentou.

O bispo, distinguido pelo seu papel na luta contra o 'apartheid', prossegue dizendo que, com a entrada de Suu Kyi no governo, sentiu dissiparem-se os receios quanto àquela minoria, "mas o que alguns chamaram 'limpeza étnica' e 'genocídio lento' persistiu, e recentemente acelerou-se", escreveu.

"É incongruente um símbolo da virtude dirigir um país onde isso acontece. Se o preço político da sua ascensão ao mais alto cargo na Birmânia é o seu silêncio, esse preço é seguramente exorbitante", afirmou.

Aun San Suu Kyi tem sido criticada por defender a atuação do exército em relação aos 'rohingya' por múltiplas personalidades, entre as quais a também Nobel da Paz Malala Yousafzai, e há mesmo uma petição, já assinada por mais de 350 mil pessoas de todo o mundo, pedindo ao comité norueguês que lhe retire o prémio.

Na quarta-feira, a líder birmanesa defendeu-se das críticas, afirmando haver uma campanha de desinformação sobre a questão e assegurando que vai proteger os direitos de todas as pessoas.

"A solidariedade internacional com os 'rohingya' é o resultado de um enorme iceberg de desinformação, que visa criar problemas entre as diferentes comunidades e promover os interesses dos terroristas", disse Suu Kyi.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.