Deputada do Bangladesh contratou 8 sósias para fazer os seus exames

Tamanna Nusrat, deputada da Liga Awami, partido do governo do Bangladesh, contratou oito pessoas parecidas com ela para fazer os exames. Estudava Artes na Universidade Aberta do Bangladesh e foi expulsa.

Tamanna Nusrat é acusada de ter pago a oito mulheres para passarem por ela nos exames, o que aconteceu em 13 ocasiões, divulgaram esta segunda-feira os responsáveis da Universidade Aberta do Bangladesh (BAO) Expulsaram-na e sem direito a recurso.

Nusrat foi eleita o ano passado para o parlamento pelo partido do governo, Liga Awami. Estudava para obter o bacharelato em Artes, o que pretendia fazer com recurso a terceiros. A fraude foi denunciada pela emissora privada Nagorik TV, que acedeu à sala de exames e confrontou uma mulher que se fazia passar por Tamanna Nusrat. O vídeo tornou-se viral e as autoridades tiveram que tomar medidas. .

"Expulsámo-la porque cometeu um crime. Um crime é um crime ", disse o diretor da BOU, MA Mannan. Explicou: "Cancelamos a inscrição dela, nunca poderá voltar a ser admitida aqui novamente", cita o jornal inglês The Guardian.

Um funcionário da faculdade comentou que a situação era conhecida e que as sósias gozavam da proteção de membros do parlamento. "Toda a gente sabia, mas ninguém pronunciou uma palavra porque ela é de uma família muito influente".

Tamanna Nusrat tem estado indisponível para comentar a situação.

O jornal britânico acrescenta que fraudes, copianço, roubo dos testes antes dos exames, são comuns no Bangladesh, levando as autoridades a cancelar com frequência a divulgação dos resultados dos mesmos

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.