Trump volta aos comícios capaz de "beijar os homens e mulheres bonitas"

Durante o comício, Donald Trump acusou Joe Biden, o seu adversário nas eleições presidenciais, de ser "socialista".

O presidente dos Estados Unidos regressou, na segunda-feira, aos comícios, horas depois do anúncio de que testou negativo à covid-19, afirmando que se sente poderoso e capaz de beijar a multidão.

Donald Trump subiu ao palco em Sanford, no estado da Florida (sudeste), e declarou estar de boa saúde, dizendo que se sentia "poderoso" e suficientemente bem para mergulhar na multidão e "beijar os homens e as mulheres bonitas". "Sinto-me bem e dizem que estou imune. Gostava de me aproximar e de vos beijar a todos", atirou à multidão.

Segundo a agência de notícias Associated Press (AP), o comício realizou-se sem distanciamento social, e o uso de máscaras não era generalizado entre os milhares de pessoas presentes.

A ação de campanha para as presidenciais de 3 de novembro durou cerca de uma hora.

Ao ataque ao "socialista" Biden

Durante o comício, Donald Trump acusou o seu adversário nas eleições presidenciais, Joe Biden, de ser "socialista". "O meu adversário quer dar tudo a Cuba e aos Castros e também quer dar tudo à Nicarágua e à Venezuela", atirou, apelando aos grupos conservadores da Florida, estado que conta com uma grande diáspora venezuelana e cubana.

Ainda sobre os países da América Latina, Trump abordou a questão da fronteira, insistindo que o México pagará pela construção de um muro ainda pequeno, de alguns quilómetros, mas destacou a cooperação do governo mexicano para proteger a fronteira. "Há 27 mil soldados mexicanos a proteger a fronteira. O México está muito bem", referiu.

Diferente foi a posição relativamente a Porto Rico, até porque o presidente norte-americano discursou em Sanford, que tem uma população significativa de porto-riquenhos. Trump retribuiu o apoio que recebeu na semana passada por parte da governadora de Porto Rico, Wanda Vázquez, e prometeu que vai trabalhar na reconstrução da indústria farmacêutica da ilha para impulsionar a economia da região: "Sempre lutarei por Porto Rico."

Trump esteve afastado da campanha eleitoral durante mais de dez dias, depois de ter testado positivo para o vírus a 2 de outubro.

O médico da Casa Branca, Sean Conley, disse, na segunda-feira, que o republicano obteve testes negativos à presença do novo coronavírus SARS-CoV-2 durante "vários dias consecutivos", através dos denominados "testes rápidos", e foi autorizado a viajar.

De acordo com a agência de notícias France-Presse (AFP), a informação foi transmitida por Conley durante uma declaração particularmente confusa, uma vez que o médico explicou que Trump testou negativo à presença do novo coronavírus, mas através de um teste rápido e não através da despistagem padrão à qual estão a ser submetidos, diariamente, centenas de milhares de norte-americanos.

Os "testes rápidos" correspondem à despistagem antigénica, que é menos sensível do que a testagem molecular tradicional.

O médico do chefe do Estado norte-americano também não especificou em que dias foram feitos os exames, mas disse que os testes antigénicos não foram os únicos indicadores que determinaram que Trump já não está infetado.

A equipa médica que supervisiona o estado de saúde de Trump também disse que o presidente já "não é contagioso".

A declaração foi divulgada na mesma altura em que o chefe de Estado estava a bordo do avião presidencial, o Air Force One, em direção à Florida, para o primeiro comício desde que contraiu a doença.

O comício na Florida, um estado-chave para Trump, marcou o arranque de uma semana de viagens para o presidente, que inclui igualmente paragens nos estados da Pensilvânia (nordeste), Iowa (centro oeste) e Carolina do Norte (sudeste).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e setenta e sete mil mortos e mais de 37,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela AFP.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG