Da nova rota da seda aos 'panda bonds': Portugal e China assinam 17 acordos de cooperação

No último dia da visita a Portugal, o presidente chinês está reunido com o primeiro-ministro português, António Costa, no Palácio de Queluz

Portugal e China vão assinar 17 de acordos de cooperação, entre os quais dez memorandos de entendimento, aproveitando a visita do presidente chinês, Xi Jinping, a Portugal. As assinaturas decorrem após o encontro que está a realizar-se entre Xi e o primeiro-ministro português, António Costa, no Palácio Nacional de Queluz.

O primeiro memorando de entendimento é referente à cooperação no quadro da nova rota da seda marítima, o segundo diz respeito à cooperação em matéria de comércio e serviços (que irá abranger áreas como transportes, turismo, finanças, propriedade intelectual, tecnologia ou cultura. O terceiro é sobre a programação de festivais culturais e o quarto é sobre a promoção de atividades de cooperação para a implementação da parceria em matéria de Ciência e Tecnologia.

O quinto memorando de entendimento é sobre cooperação no domínio da água e o sexto sobre o plano de implementação do STARLAB, que visa o estabelecimento, em Portugal, de um Laboratório de Pesquisa de Tecnologia Avançada nos domínios do Mar e do Espaço. Há ainda um memorando de entendimento entre a COFCO International e a AICEP sobre o estabelecimento de um serviço global da COFCO em Matosinhos, com a criação de 150 postos de trabalho que pode chegar, nos quatro anos seguintes, aos 400, em áreas como IT, procurement, recursos humanos e financeiras.

Há ainda um memorando de entendimento entre a EDP e a China Three Gorges, que define a cooperação ao nível da responsabilidade social das empresas, designadamente no domínio da cultura, desenvolvimento sustentável, inovação e R&D. Outro memorando de entendimento entre a State Grid e a REN, para aprofundar a cooperação entre ambos. O último memorando é entre a MEO e a Huawei, sobre o desenvolvimento da tecnologia 5G.

Nos 17 documentos assinados, há ainda um protocolo relativo aos requisitos fitossanitários para a exportação de uva de mesa portuguesa para a China e uma carta de intenções sobre cooperação entre as câmaras municipais de Tianjin e Setúbal.

Foram assinados ainda quatro acordos. Um para o estabelecimento do Instituto Confúcio na Universidade do Porto e outro para o criação de um centro de estudos chineses na Universidade de Coimbra. Um terceiro entre o Grupo Media da China e a RTP para a produção conjunta de documentários e um último entre o Banco Comercial Português e a Union Pay, que permitirá ao primeiro emitir cartões de crédito do segundo, que é o principal serviço de pagamentos eletrónicos na China.

Finalmente, foi assinado um protocolo entre a Caixa Geral de Depósitos e o Bank of China para a implementação do Memorando de Entendimento relativo à emissão de Panda Bonds, referente à emissão da dívida pública em Renminbi (a moeda chinesa).

No primeiro dia da visita, Xi Jinping esteve reunido com o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, tendo-o convidado para uma visita de Estado à China em abril de 2019. Marcelo confirmou ter aceitado o convite, no âmbito da assinatura de um protocolo de memorando ao abrigo do programa Uma Faixa, Uma Rota (a nova rota da seda), num ano que será também o de Portugal na China e da China em Portugal.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...