Da nova rota da seda aos 'panda bonds': Portugal e China assinam 17 acordos de cooperação

No último dia da visita a Portugal, o presidente chinês está reunido com o primeiro-ministro português, António Costa, no Palácio de Queluz

Portugal e China vão assinar 17 de acordos de cooperação, entre os quais dez memorandos de entendimento, aproveitando a visita do presidente chinês, Xi Jinping, a Portugal. As assinaturas decorrem após o encontro que está a realizar-se entre Xi e o primeiro-ministro português, António Costa, no Palácio Nacional de Queluz.

O primeiro memorando de entendimento é referente à cooperação no quadro da nova rota da seda marítima, o segundo diz respeito à cooperação em matéria de comércio e serviços (que irá abranger áreas como transportes, turismo, finanças, propriedade intelectual, tecnologia ou cultura. O terceiro é sobre a programação de festivais culturais e o quarto é sobre a promoção de atividades de cooperação para a implementação da parceria em matéria de Ciência e Tecnologia.

O quinto memorando de entendimento é sobre cooperação no domínio da água e o sexto sobre o plano de implementação do STARLAB, que visa o estabelecimento, em Portugal, de um Laboratório de Pesquisa de Tecnologia Avançada nos domínios do Mar e do Espaço. Há ainda um memorando de entendimento entre a COFCO International e a AICEP sobre o estabelecimento de um serviço global da COFCO em Matosinhos, com a criação de 150 postos de trabalho que pode chegar, nos quatro anos seguintes, aos 400, em áreas como IT, procurement, recursos humanos e financeiras.

Há ainda um memorando de entendimento entre a EDP e a China Three Gorges, que define a cooperação ao nível da responsabilidade social das empresas, designadamente no domínio da cultura, desenvolvimento sustentável, inovação e R&D. Outro memorando de entendimento entre a State Grid e a REN, para aprofundar a cooperação entre ambos. O último memorando é entre a MEO e a Huawei, sobre o desenvolvimento da tecnologia 5G.

Nos 17 documentos assinados, há ainda um protocolo relativo aos requisitos fitossanitários para a exportação de uva de mesa portuguesa para a China e uma carta de intenções sobre cooperação entre as câmaras municipais de Tianjin e Setúbal.

Foram assinados ainda quatro acordos. Um para o estabelecimento do Instituto Confúcio na Universidade do Porto e outro para o criação de um centro de estudos chineses na Universidade de Coimbra. Um terceiro entre o Grupo Media da China e a RTP para a produção conjunta de documentários e um último entre o Banco Comercial Português e a Union Pay, que permitirá ao primeiro emitir cartões de crédito do segundo, que é o principal serviço de pagamentos eletrónicos na China.

Finalmente, foi assinado um protocolo entre a Caixa Geral de Depósitos e o Bank of China para a implementação do Memorando de Entendimento relativo à emissão de Panda Bonds, referente à emissão da dívida pública em Renminbi (a moeda chinesa).

No primeiro dia da visita, Xi Jinping esteve reunido com o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, tendo-o convidado para uma visita de Estado à China em abril de 2019. Marcelo confirmou ter aceitado o convite, no âmbito da assinatura de um protocolo de memorando ao abrigo do programa Uma Faixa, Uma Rota (a nova rota da seda), num ano que será também o de Portugal na China e da China em Portugal.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.