Cronologia: o caminho da Coreia do Norte até à bomba H

O armamento nuclear é uma das principais ameaças à comunidade internacional. Veja como o país diz ter desenvolvido as armas mais mortíferas do mundo nos últimos anos

A Coreia do Norte anunciou ter detonado hoje, pela primeira vez e com sucesso, uma bomba de hidrogénio. Mas o caminho para chegar até aqui começou a ser desenhado há pelo menos 30 anos.

1985 - O primeiro acordo

Em 1985, a Coreia do Norte aderiu ao Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, um acordo internacional atualmente assinado por 189 países e que tem como objetivo evitar a propagação das armas nucleares e promover o uso pacífico da energia nuclear. Segundo o acordo, a Coreia do Norte tinha 18 meses para pôr em prática as salvaguardas da Agência Internacional de Energia Atómica.

1986 - O primeiro reator nuclear

Um ano depois de assinar o Tratado Internacional, a Coreia do Norte iniciou a atividade do seu primeiro reator nuclear,segundo o The Guardian. O reator de Yongbyon, de cinco megawatts, demorou sete anos a ser construído, com a ajuda da União Soviética. Tornou-se o Centro de Pesquisa Cientifica Nuclear de Yongbyon, o principal do país.

1993 - Um passo atrás

Em 1993, a Coreia anunciou pela primeira vez que se ia retirar do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares. Tal ato não foi levado até ao fim e no mesmo ano a Coreia do Norte voltou atrás na sua decisão.

1994/2002 - Coreia de Norte e EUA: uma cooperação possível?

No ano seguinte, 1994, a Coreia do Norte e os Estados Unidos da América assinam um acordo em que Pyongyang concorda desligar o seu principal reator nuclear, Yongbyon, em troca de ajuda na construção de dois reatores de produção de eletricidade.

Em 2002, um ano antes de se retirar oficialmente do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, Pyongyang admite a uma delegação norte americana que tem um programa de enriquecimento de urânio, um dos ingredientes chaves para a construção de armas nucleares. Em novembro do mesmo ano, os Estados Unidos suspendem a ajuda na construção dos dois reatores de eletricidade.

2003 - Diálogos a seis

A Coreia do Norte torna-se em 2003 a primeira nação a retirar-se oficialmente do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, a 11 de janeiro. Em agosto do mesmo ano, no entanto, participa em conversações sobre as armas nucleares com a China, Japão, Rússia, Coreia do Sul e os Estados Unidos. O objetivo dos chamados "diálogos a seis" passava por negociar o desarmamento progressivo da Coreia do Norte, em troca de algumas ajudas e maior cooperação internacional. Mas as conversações foram oficialmente abandonadas em 2009.

2005 - As armas nucleares e os testes

A 10 de fevereiro de 2005, a Coreia do Norte anuncia oficialmente e pela primeira vez que tem armas nucleares. Um ano depois, a 9 de outubro de 2006, é realizado um teste nuclear subterrâneo.

Com a morte do líder norte coreano Kim Jong-Il e a subida ao poder do seu filho e sucessor, Kim Jong-un, em 2011, a corrida ao armamento nuclear não abrandou. Especialistas acreditam que uma torre de lançamento foi construída na base de mísseis na costa oeste Tongchang-ri.

A torre de lançamento foi testada no ano seguinte, em abril de 2012, mas, segundo especialistas da vizinha Coreia do Sul, o foguetão lançado desintegrou-se no ar pouco tempo depois do lançamento. Em dezembro do mesmo ano, a Coreia do Norte volta a tentar um lançamento, desta vez de um míssil do longo alcance, ato que foi condenado pela comunidade internacional.

Em 2013 a Coreia do Norte realiza o terceiro e maior teste nuclear. As nações Unidas voltam a condenar a ação e impõem sanções ao regime de Pyongyang.

2015 - A bomba H

No ano passado, em maio de 2015, e com a comunidade internacional cada vez mais apreensiva com o caminho do regime de Kim Jong-un, a Coreia do Norte anunciou que testara com sucesso um míssil balístico submarino.

Em dezembro, imagens de satélite revelavam que o país continuava a investir em armamento nuclear com a construção de um novo túnel numa das suas bases de testes nucleares, em Punggye-ri.

Também em dezembro, dia 11, os meios de comunicação norte-coreanos anunciavam o desenvolvimento de uma bomba de hidrogénio. Os Estados Unidos duvidaram, dizendo que era pouco provável que Pyongyang tivesse um dispositivo termonuclear.

Esta quarta-feira, dia 6 de janeiro de 2016, a Coreia do Norte anunciou que testou com êxito a bomba de hidrogénio, um anúncio que gerou muita preocupação, mas também muito ceticismo na comunidade internacional.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG