Covid-19: Nova Iorque atrasa início das aulas para dar mais tempo aos professores

Regresso às aulas deverá acontecer 11 dias depois do previsto.

As autoridades de Nova Iorque, que ao contrário de outras cidades norte-americanas decidiu voltar às aulas presenciais, anunciaram nesta terça-feira que vão atrasar o seu início para dar mais tempo aos professores para prepararem o regresso, devido à pandemia.

As aulas presenciais na cidade norte-americana de Nova Iorque foram interrompidas, devido à pandemia do novo coronavírus, em março passado, e o ensino passou a ser realizado de forma remota.

O anúncio de hoje, de um adiamento por 11 dias, está a ser interpretado como um recuo do presidente da câmara nova-iorquina, uma vez que o democrata Bill de Blasio afirmou, durante os últimos meses, que os mais de um milhão de alunos matriculados nas escolas públicas de Nova Iorque precisavam de regressar aos estabelecimentos de ensino e retomar as aulas presenciais no início do outono.

Apesar de sistemas escolares de outras grandes cidades dos Estados Unidos, incluindo Chicago, Los Angeles, Miami ou Houston, terem decidido arrancar com o novo ano letivo de forma remota e sem aulas presenciais, Bill de Blasio sempre seguiu um plano que previa uma reabertura híbrida das salas de aulas em 10 de setembro, data agora adiada para 21 de setembro.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) estimou hoje que apenas um em cada três alunos no mundo irá regressar às salas de aulas no fim do verão, com dois terços da população estudantil a nível mundial a permanecer "sem escola" devido à atual pandemia.

Dois terços dos alunos não deverão voltar à sala de aula em setembro.

Na segunda-feira, os Estados Unidos ultrapassaram a barreira dos seis milhões de casos diagnosticados de infeção pelo novo coronavírus desde o início da crise pandémica, segundo os números contabilizados pela universidade norte-americana Johns Hopkins.

Os EUA são o país mais afetado a nível mundial pela atual pandemia de covid-19 em termos absolutos, registando mais de 183 mil mortes. Os números divulgados mostram que cerca de 20% das infeções pelo novo coronavírus verificadas no mundo foram registadas nos EUA.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG