Cortes de luz para prevenir incêndios na Califórnia deixam donos de carros Tesla apeados

Os cortes de energia realizados como medida de prevenção de incêndios estão a deixar os condutores de carros elétricos sem alternativa. Equipamentos portáteis para carregamento podem demorar semanas a chegar.

Quase dois milhões de californianos estão há dois dias a lidar com cortes programados de energia devido ao risco de incêndio. A decisão da Pacific Gas & Electric está a causar problemas as todos os moradores mas também a deixar sem alternativa os utilizadores de carros elétricos, nomeadamente da Tesla, o maior fabricante de veículos do género nos EUA.

Elon Musk, dono da Tesla, já veio tentar acalmar os ânimos ao dizer que há baterias a caminho da Califórnia, mas não há ainda data para chegarem.

"Todas as estações Tesla Supercharger nas regiões afetadas pela falta de energia na Califórnia terão Tesla Powerpacks nas próximas semanas. Estamos apenas a aguardar licenças", escreveu no Twitter.

Entretanto, a PG&E disse esta sexta-feira que já está a começar a restaurar a energia nas áreas onde o clima está a apresentar melhorias.

As interrupções, devem durar vários dias, estão a afetar moradores e empresas e aqueles que dependem da eletricidade por razões médicas terão de encontrar meios para sair do estado.

Um incêndio de grandes dimensões em Los Angeles, que deflagrou quinta-feira à noite (madrugada em Portugal), já danificou pelo menos 25 casas e há 23 mil residências em risco, o que levou a polícia a ordenar a cerca de 100 mil pessoas que abandonem os lares, muitas delas apanhadas ainda durante o sono.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.