Coreia do Sul pondera suspender algumas sanções contra Pyongyang

Sanções surgiram na sequência do ataque ao navio Cheonan em 2010, que tirou a vida a 45 marinheiros sul-coreanos

A ministra dos Negócios Estrangeiros sul-coreana afirmou esta quarta-feira que Seul está a ponderar suspender algumas das sanções unilaterais contra Pyongyang, para fortalecer a diplomacia e contribuir para o desarmamento nuclear.

Kang Kyung-wha disse esta quarta-feira a deputados do parlamento que o Governo está "a rever" se vai suspender algumas das sanções impostas em 2010 à Coreia do Norte, na sequência do ataque ao navio Cheonan, que causou a morte de 45 marinheiros sul-coreanos.

A concretizar-se a suspensão de sanções, esta seria uma medida sobretudo simbólica, uma vez que é muito difícil para Seul retomar projetos económicos conjuntos com o Norte, devido às sanções internacionais lideradas pelos Estados Unidos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.