Trump insiste que política dos EUA em relação a Pyongyang não tem funcionado

Trump arrisca colocar os Estados Unidos "no caminho da terceira guerra mundial" com as suas ameaças a determinados países, disse o senador republicano Bob Corker

O Presidente norte-americano insistiu esta segunda-feira que a política usada pelos Estados Unidos para lidar com a Coreia do Norte não tem funcionado, frisando que Washington deu "mil milhões de dólares" sem receber nada em troca.

"O nosso país tem vindo a lidar sem sucesso com a Coreia do Norte durante 25 anos, dando mil milhões de dólares e sem receber nada. A política não funcionou!", escreveu esta segunda-feira Donald Trump numa nova mensagem na rede social Twitter.

Nos últimos dias, o líder norte-americano tem publicado um conjunto de mensagens no Twitter, a par de declarações públicas, que têm reforçado a possibilidade de uma ação militar dos Estados Unidos contra a Coreia do Norte.

No sábado, também no Twitter, Trump publicou uma mensagem em que afirmou que "só uma solução resultará" com a Coreia do Norte, mas sem fornecer mais pormenores.

"Os Presidentes e os seus governos andam há 25 anos a falar da Coreia do Norte", escreveu então Trump, acrescentando que "os acordos passados e as enormes quantias de dinheiro gastas não sortiram efeito".

"Os acordos foram violados antes mesmo de a tinta secar. Tenho muita pena, mas só uma coisa resultará", concluiu.

Dias antes, na quinta-feira durante uma receção na Casa Branca, Trump fez outra declaração evasiva, sem a explicar: "Talvez seja mesmo a calmaria antes da tempestade".

O chefe de Estado norte-americano tinha acabado de participar numa reunião com os principais responsáveis militares do país para debater os assuntos sensíveis do momento, entre os quais o Irão e a Coreia do Norte.

No dia seguinte, e questionado pela imprensa sobre essa declaração, o Presidente respondeu apenas: "Vocês vão ver".

Também no Twitter, e perante a confirmação do secretário de Estado (Rex Tillerson) da existência de contactos entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, Trump reagiu: "Disse ao Rex Tillerson, o nosso maravilhoso secretário de Estado, que ele está a perder o seu tempo a negociar".

"Poupa a tua energia, Rex, nós faremos o que temos de fazer", disse então.

Nos últimos meses, Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, têm estado envolvidos numa escalada de retórica que progressivamente fica mais violenta e bélica, com ambos a lançarem ameaças de um ataque nuclear.

Numa entrevista publicada no domingo passado pelo jornal The New York Times, o senador republicano Bob Corker disse que Trump arrisca colocar os Estados Unidos "no caminho da terceira guerra mundial" com as suas ameaças a determinados países.

Exclusivos

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.