Coreia do Norte tem locais secretos de armazenamento de mísseis

Imagens de satélite revelam localização numa região montanhosa, a menos de 150 quilómetros de Seul

A Coreia do Norte possui pelo menos 13 locais secretos, se bem que "rudimentares", de armazenamento de mísseis balísticos com capacidade nuclear, divulgou esta segunda-feira um centro de reflexão (think tank) norte-americano, baseado em Washington.

A conclusão é de um grupo, designado Beyond Parallel (Além do Paralelo), que o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) criou para se dedicar à península coreana. Para esta conclusão, o grupo apoiou-se em fontes de serviços de informações de vários países, declarações de desertores norte-coreanos, informação pública e imagens de satélite.

A esta certeza na existência destes 13 locais, o CSIS admite que o total possa ascender a 20. "As bases (dos mísseis) não pararam", explicou ao New York Times o responsável do programa Além do Paralelo (alusão ao paralelo que grosso modo divide a península ao meio), Victor Cha. "Continuaram a funcionar", acrescentou.

"O medo que Trump aceite um mau acordo é generalizado", disse. "Os norte-coreanos dão-nos um único local de testes, desmantelam alguns locais e em em troca obtêm um acordo de paz", acrescentou.

Victor Cha foi um possível nomeado para um cargo de embaixador, mas acabou por o não ser, principalmente devido ao seu desacordo com a abordagem do governo de Trump ao dossiê coreano.

Desde a cimeira que reuniu, em Singapura, Trump e o dirigente norte-coreano Kim Jong Un, em meados de junho, que a Coreia do Norte suspendeu oficialmente o seu programa nuclear e os seus testes com lançamento de mísseis.

Pyongyang já desmantelou um local de lançamento de mísseis e comprometeu-se a fazer o mesmo com o principal complexo nuclear do país.

O CSIS revelou a existência de um local secreto em uma região montanhosa, a menos de 150 quilómetros de Seul, apoiado em imagens obtidas por satélite.

No seu relatório, este centro de reflexão especificou que o local, Sakkanmol, é, como os outros 12, uma base para armazenar e não tem vocação para ser utilizada em lançamentos, mesmo que haja esta necessidade em caso de urgência.

Todos estes locais são "geralmente rudimentares" e dissimulados pelo Exército Popular da Coreia, que desenvolveu ao longo das décadas técnicas de camuflagem para evitar os ataques aéreos.

Os locais estão divididos em três cinturas, com a mais afastada da Coreia do Sul a ser destinada aos sítios dos mísseis balísticos intercontinentais.

Uma reunião entre o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, e o braço direito de Kim Jong-un, Kim Yong Chol, que esteve previsto para a semana passada, em Nova Iorque, foi anulado.

Na quarta-feira, Trump indicou que previa reunir-se com Kim no início de 2019.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG