Coreia do Norte rejeita acusações dos EUA sobre ataque informático

Regime diz que os EUA estão a acusar Pyongyang "de forma irracional e sem qualquer prova"

A Coreia do Norte rejeitou hoje as acusações lançadas pelos Estados Unidos sobre a ligação do regime de Pyongyang ao ataque informático que em maio último atingiu cerca de 300 mil computadores em mais de 150 países.

"Os Estados Unidos estão a tentar incitar um confronto global contra nós, ao ligar a República Popular Democrática da Coreia ao último caso de ciberataque", afirmou um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte, citado pela agência noticiosa estatal norte-coreana KCNA.

O ataque, que ficou conhecido como "Wannacry", afetou o funcionamento de fábricas, empresas, bancos, hospitais, escolas e lojas em mais de uma centena de países. Portugal também constou entre os países visados pelo ciberataque.

Num comunicado, o porta-voz da diplomacia norte-coreana qualificou Washington como "a origem de todos os males sociais e cibercrimes globais" e frisou que os Estados Unidos estão a acusar Pyongyang "de forma irracional e sem qualquer prova".

"Não temos nada a ver com esse ciberataque", sublinhou a nota informativa, que também advertiu que o regime norte-coreano "nunca irá tolerar" este tipo de acusações, que constituem uma "provocação política".

A reação de Pyongyang surge após os Estados Unidos terem acusado oficialmente, esta semana, a Coreia do Norte de ser responsável pelo ataque informático.

"Depois de uma cuidadosa investigação, os Estados Unidos atribuem publicamente o ataque informático em massa à Coreia do Norte. Não avançamos com estas acusações de forma ligeira. São baseadas em provas", referiu Tom Bossert, conselheiro do Presidente norte-americano, Donald Trump, para a área da segurança interna, numa conferência de imprensa, depois de ter escrito um artigo no The Wall Street Journal sobre este assunto.

O conselheiro da Casa Branca explicou na mesma ocasião que a administração norte-americana sustenta as acusações em "ligações técnicas a meios online, 'tradecraft' [espionagem comercial] e a infraestruturas operacionais da Coreia do Norte previamente identificadas, que não deixam dúvidas sobre a origem do ataque".

A 12 de maio, o ataque informático lançado através de um 'software' malicioso apelidado de "Wannacry" afetou, entre outras estruturas internacionais, os serviços de saúde públicos britânicos, as fábricas do construtor automóvel francês Renault, a operadora espanhola Telefonica e a empresa norte-americana de entrega de encomendas FedEx.

Os responsáveis pelo ataque reclamaram posteriormente um resgate para desbloquear os computadores afetados.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.