Coreia do Norte lança novo míssil em direção ao mar do Japão

Autoridades sul-coreanas indicam que o disparo ocorreu esta quinta-feira a partir da base de Sino-ri, a 80 quilómetros de Pyongyang.

A Coreia do Norte lançou esta quinta-feira um novo míssil em direção a leste, para o mar do Japão, anunciaram as autoridades militares sul-coreanas.

As autoridades militares sul-coreanas, segundo o New York Times, não deram indicações sobre o tipo de míssil nem a distância a que chegou.

Este é o segundo lançamento de mísseis por parte da Coreia do Norte desde sábado, quando foram disparados 10 a 20 mísseis de curto alcance que os especialistas admitiram corresponder a um novo modelo de projétil.

O lançamento desta quinta-feira foi feito a partir da base de mísseis de Sino-ri, 80 quilómetros a noroeste de Pyongyang, precisaram os militares sul-coreanos.

Exercício "regular e defensivo"

A Coreia do Norte descreveu o lançamento de vários mísseis, no passado sábado, como um exercício "regular e defensivo", assegurando que tais manobras não agravaram as tensões na região, como foi apontado por Seul.

"O recente exercício realizado pelos militares faz parte de um treino militar regular", indicou um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros norte-coreano, num comunicado divulgado na quarta-feira e citado pela agência estatal norte-coreana KCNA.

"Não foi dirigido a ninguém e não levou a um agravamento da situação na região", declarou.

No mesmo dia em que Pyongyag realizou o exercício, Seul apelou ao vizinho para que ponha "fim a ações que ativam a tensão", na mensagem mais dura da Coreia do Sul desde que se iniciou a aproximação entre as duas Coreias.

As manobras tiveram como objetivo "verificar a capacidade operacional de múltiplos lançadores de mísseis de grande calibre e alcance, um "tipo de exercício muito comum" realizado por qualquer país para "defesa nacional", sustentou Pyongyang.

O porta-voz da Coreia do Norte descreveu ainda como "desagradável e lamentável", que este exercício tenha sido chamado "de provocatório", enquanto existe um "silêncio absoluto" sobre os exercícios realizados em março e abril pela Coreia do Sul e os Estados Unidos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.