Coreia do Norte manda mensagens "acidentalmente" com fotografias de Kim Jong-Un

Fotografia do líder norte-coreano mostra planos de construção de um poderoso míssil

A Coreia do Norte exibiu planos de construção de um poderoso míssil numa sessão fotográfica com Kim Jong-Un, uma jogada que especialistas em armas estão a interpretar como uma exibição de força. Fotografias do líder norte-coreano nas instalações da Academia das Ciências da Defesa, divulgadas quarta-feira pelos media norte-coreanos, mostram um diagrama com as três fases de um novo míssil.

Este míssil, se fosse desenvolvido, seria mais potente do que os outros dois mísseis balísticos intercontinentais testados pela Coreia do Norte em julho e poderia alcançar qualquer ponto dos Estados Unidos, dizem os especialistas, citados pela Reuters.

A imagem mostra que o nome do míssil - acima no quadro à esquerda, onde está a sombra de Kim Jong-Un - se chama Hwasong-13. Os mísseis testados em julho, que já poderiam alcançar a costa este dos Estados Unidos, eram os Hwasong-14.

Para já, não há indicações de que esta arma esteja a ser desenvolvida, dizem os especialistas que analisaram a imagem.

Apesar de ser impossível calcular o nível de destruição desta arma sem a realização de testes, Kim Dong-yub, especialista militar da Universidade de Kyungnam, na Coreia do Sul, estima que o Hwasong-13 consiga chegar sem problemas aos Estados Unidos.

"Devíamos olhar para o Hwasong-13 como um míssil balístico intercontinental na classe dos 12 mil quilómetros de distância que consegue atingir todo o território continental dos Estados Unidos", disse Kim Dong-yub à Reuters.

"Provavelmente é para mostrar que estão a trabalhar num design de três fases com maior impulso e alcance", disse o general brigadeiro Moon Sung-muk, que representou a Coreia do Sul em vários conversações militares com Pyongyang. "Eles testaram o Hwasong-14, que tinha um alcance médio de 9 ou 10 mil quilómetros. Este pode ir mais longe e essa é a mensagem", continuou.

Não é a primeira vez que a Coreia do Norte usa esta estratégia para passar mensagens. Há duas semanas, foram publicadas fotografias de Kim Jong-Un numa reunião com militares, em que se vê uma imagem da base aérea norte-americana de Andersen, em Guam.

A ideia era mostrar que Pyongyang pode atacar Guam a qualquer momento, segundo a BBC, algo que o regime de Kim Jong-Un já ameaçou abertamente fazer.

Contudo, um jornal sul-coreano afirmou que as imagens eram de há seis anos e foram retiradas do Google Earth Maps, segundo a imprensa britânica.

A tensão entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos parece ter diminuído nas últimas semanas, após os líderes dos dois países terem trocado ameaças publicamente nos últimos dois meses. A situação piorou após a Coreia do Norte ter testado dois mísseis intercontinentais em julho.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG