Coreia do Norte diz que Trump é "egoísta" por sair do Acordo de Paris

Pyongyang disse que "ato egoísta dos EUA" prejudicará o mundo inteiro

A Coreia do Norte reagiu esta terça-feira à saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris, anunciada pelo presidente Donald Trump na semana passada. Num comunicado, o regime de Pyongyang disse que a decisão da administração Trump representa "o auge do egoísmo e do vácuo moral por procurar somente o seu próprio bem-estar à custa do planeta inteiro".

"O ato egoísta dos EUA não só traz graves consequências para os esforços internacionais de proteger o ambiente, como representa um grande risco para outras áreas", afirmou a porta-voz do ministério de negócios estrangeiros norte-coreano, segundo a CNN, que cita a agência de notícias de Pyongyang.

No comunicado, a Coreia do Norte descreveu as atitudes de Washington sobre o programa nuclear da Coreia do Norte como "não razoáveis e imprudentes".

A decisão dos Estados Unidos de saírem do Acordo de Paris tem sido criticada pela comunidade internacional.

O acordo foi assinado em dezembro de 2015 durante a conferência das Nações Unidas sobre o clima (COP21) em Paris por 195 países, mais a União Europeia (UE), após vários anos de duras negociações.

Os cientistas preveem que a Terra atinja mais depressa níveis perigosos de aquecimento se os EUA saírem do acordo de Paris, porque os norte-americanos contribuem fortemente para a subida da temperatura.

Os cálculos sugerem que a retirada poderia resultar em emissões adicionais de três mil milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, o suficiente para acelerar o degelo dos blocos de gelo, elevar o nível do mar e provocar mais eventos climactérios extremos.

O diretor executivo do Sierra Club, Michael Brune, classificou a saída dos EUA do acordo, - ainda antes desta ser confirmada por Trump - como "um erro histórico, que os nossos netos, quando olharem para trás, ficarão atordoados ao constatarem como é que um líder mundial podia estar tão divorciado da realidade e da moralidade".

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.