Condenado à morte homem que matou mulher com ácido na Índia

O homem de 26 anos atirou ácido à cara de uma mulher porque esta não aceitou casar com ele. É a primeira condenação pelo tribunal num caso destes

Um tribunal indiano condenou hoje um homem à morte por ter assassinado uma mulher atirando-lhe ácido à cara depois de esta rejeitar o seu pedido de casamento, num acórdão histórico.

Ankur Panwar, 26 anos, foi considerado culpado de ter lançado ácido sulfúrico sobre Preeti Rathi, na altura dos factos com 24 anos, diante de uma estação de comboios da capital económica indiana, Bombaim, em maio de 2013.

Rathi, que era vizinha de Panwar em Nova Deli e que tinha chegado recentemente a Bombaim para trabalhar como enfermeira, morreu no hospital no mês seguinte.

"O tribunal condenou Ankur Panwar à morte. Convenci o tribunal que estávamos face a um ataque com ácido, que faz parte dos casos mais extremos", condição para a aplicação da pena capital, declarou o procurador Ujjwal Nikam à agência France Presse.

"Este é um acórdão histórico para estes crimes. É a primeira vez que uma pena destas é decidida em relação a um ataque com ácido contra uma mulher", disse Nikam.

A defesa anunciou que vai recorrer.

Ativistas congratularam-se com a sentença, mas criticaram o tempo necessário para julgar o infrator.

Cerca de 300 ataques com ácido foram registados na Índia em 2015. Segundo especialistas, aquele e números semelhantes noutros países do sul da Ásia representam provavelmente apenas a ponta do iceberg.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.