Comissão Europeia "chocada" com testes em humanos e macacos

Margaritis Schinas, porta-voz do executivo comunitário, instou as autoridades alemãs a resolver o assunto

A Comissão Europeia declarou-se hoje "chocada" com o recurso a testes de emissões poluentes em macacos ou humanos na indústria automóvel alemã, instando as autoridades nacionais a responsabilizarem-se pelo tema.

"Estamos chocados com essas notícias, como todo o mundo. Tomamos nota do objetivo das autoridades alemãs de investigar o assunto e esperamos que o façam", disse o porta-voz do executivo comunitário, na conferência de imprensa diária da instituição.

Margaritis Schinas instou as autoridades alemãs a tratar do tema, considerando que este requer "uma ação urgente".

A comissária europeia da Indústria, Elzbieta Bienkowska, considerou, na rede social Twitter, que estes testes são "imorais e inaceitáveis para uma empresa europeia do século XXI".

De acordo com notícias publicadas esta segunda-feira por meios de comunicação alemães, a Associação Europeia de Estudos sobre a Saúde e o Meio Ambiente nos Transportes, um instituto financiado por Volkswagen, BMW e Daimler (fabricante de Mercedes-Benz), submeteu grupos de humanos e macacos a testes de emissões de motores diesel.

A primeira 'vítima' da polémica foi o diretor geral da Volkswagen, Thomas Steg, que abandonou temporariamente o cargo.

Em comunicado, o grupo automobilístico alemão informou que a direção do consórcio, hoje reunida, "aceitou a petição de cesse temporário" de Steg, até que "se esclareça completamente o ocorrido".

"O senhor Steg declarou que assume toda a responsabilidade, e isso é algo que eu respeito", afirmou o presidente da Volkswagen, Matthias Müller, segundo a nota de imprensa.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.