Comboio descarrila e cai sobre autoestrada nos EUA. Já há seis mortes confirmadas

Acidente aconteceu no Estado de Washington, em Tacoma, Pierce County, a cerca de 64 quilómetros de Seattle. Número de mortes pode aumentar

Pelo menos seis pessoas morreram na sequência do descarrilamento de um comboio de passageiros ocorrido esta segunda-feira perto da cidade norte-americana de Seattle (Estado de Washington), referiu um responsável norte-americano citado pela agência noticiosa norte-americana Associated Press.

A mesma fonte, que não estava autorizada a avançar pormenores sobre este acidente e falou à Associated Press sob a condição de anonimato, admitiu que o número de mortos poderá aumentar.

O responsável, que foi informado sobre a investigação do acidente em curso, disse que informações preliminares indicam que o descarrilamento poderá ter sido provocado por algo que atingiu o comboio da operadora de transportes ferroviários Amtrak.

O comboio de passageiros descarrilou em plena 'hora de ponta' (por volta das 07:40 hora local, 15:40 hora de Lisboa) num viaduto a 64 quilómetros a sul da cidade de Seattle, no Estado norte-americano de Washington (noroeste dos Estados Unidos), tendo caído sobre uma autoestrada (I-5).

O comboio, que fazia a ligação entre as cidades norte-americanas de Seattle e Portland, atingiu vários carros que passavam na autoestrada que liga as cidades de Tacoma e Olympia.

Cerca de 78 passageiros - a Reuters aponta 77 pessoas internadas - e uma tripulação com cinco elementos estavam a bordo do comboio 501, segundo a operadora ferroviária pública Amtrak, que também precisou que o comboio envolvido no acidente é um modelo pendular de grande velocidade.

A operadora ferroviária criou uma linha telefónica para as pessoas obterem informações sobre familiares e amigos que viajavam no comboio.

Segundo a Associated Press, o comboio envolvido neste acidente estava a fazer a primeira viagem de um serviço de alta velocidade que as autoridades locais alertaram que poderia ser perigoso.

A agência federal de segurança de transportes dos Estados Unidos (NTSB, na sigla em inglês) informou que já abriu um inquérito para apurar as causas do acidente.

Ao Tacoma News Tribune, o gabinete do xerife terá revelado, ao início da tarde, que haveria pelo menos três mortos, um número que não foi confirmado oficialmente. Fonte hospitalar citada pela agência Reuters revelou que foram internadas 77 pessoas.

Um dos passageiros disse a uma televisão local que conseguiu sair da carruagem pontapeando as janelas partidas da carruagem.

De acordo com a NBC News, o comboio mergulhou sobre a Interstate 5, entre Lakewood e Olympia, a cerca de 64 quilómetros de Seattle. Pelo menos duas carruagens ficaram sobre o asfalto.

A BBC cita a imprensa local, que adianta que seria a viagem inaugural naquela linha ferroviária de alta velocidade. Antes do acidente, o comboio iria a cerca de 130 quilómetros/hora.

A Amtrak, empresa estatal que gere as linhas ferroviárias nos EUA, confirmou no Twitter o acidente com o comboio 501, prometendo novas informações para breve.

Em atualização

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...