Colete amarelo lusodescendente volta a ser ferido em manifestação em Paris

Lusodescendente Jerome Rodrigues, que ficou cego de um olho numa manifestação em janeiro deste ano voltou a sofrer ferimentos durante um protesto, desta vez ligeiros.

O lusodescendente Jerome Rodrigues, que perdeu um olho numa manifestação dos coletes amarelos em França, voltou a ser ferido num protesto organizado este sábado pelos trabalhadores dos caminhos-de-ferro, que continuam em greve.

Numa manifestação que reuniu alguns milhares de pessoas em Paris, foi ferido novamente junto ao olho que perdeu em janeiro deste ano, durante outro protesto, tendo depois reintegrado o cortejo.

Segundo Jerome Rodrigues partilhou nas redes sociais, foi vítima de golpes de um escudo de proteção da polícia junto à Gare du Nord, onde começou a manifestação deste sábado, e levou com muito gás lacrimogéneo em seguida. O lusodescendente foi assistido no local e voltou a integrar o cortejo mais à frente.

As autoridades francesas negam qualquer agressão física, mas confirmam que foram utilizadas granadas de gás lacrimogéneo, segundo noticiaram meios de comunicação franceses. A agência Lusa tentou contactar Jerome Rodrigues, sem sucesso.

A manifestação deste sábado foi a última de 2019 e num feito raro juntou o movimento dos coletes amarelos e os sindicatos que representam os trabalhadores ferroviários e dos transportes públicos, que estão em greve há 24 dias seguidos.

Durante a manifestação aconteceram vários momentos de tensão com a polícia, com os sindicatos a continuarem a reivindicar o fim da reforma das pensões anunciada pelo Governo. Este foi mais um dia na capital francesa com metro, autocarros e elétricos reduzidos e uma circulação de comboios urbanos e de longo curso muito limitada.

Esta greve já ultrapassou os 22 dias de greve consecutivos de 1995 e pode bater mesmo o recorde da duração de uma greve em França, que aconteceu em 1986-1987 com 28 dias de greve ininterrupta.

A próxima grande manifestação está marcada para dia 09 de janeiro, com mais um protesto intersindical.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG