China planeia concluir estação espacial até 2022

A China planeia enviar quatro missões espaciais tripuladas e o mesmo número de módulos de carga para concluir a construção de uma estação espacial permanente nos próximos dois anos, informaram esta quarta-feira as autoridades do país asiático.

O anúncio, feito após o lançamento de uma sonda não tripulada e uma cápsula de retorno, um importante passo para levar tripulações para a futura estação espacial chinesa, reforça ainda mais as aspirações da China de rivalizar na exploração espacial com os Estados Unidos, Europa, Rússia ou empresas privadas.

A sonda e a cápsula foram lançadas a bordo do foguete Longa Marcha 5B no seu voo de estreia, na noite de terça-feira, a partir do centro de lançamento de Wenchang, na província de Hainan, sul da ilha.

A cápsula é uma atualização do modelo Shenzhou, que tem como base o modelo da antiga União Soviética Soyuz, e que pode transportar seis astronautas.

A China lançou, anteriormente, uma estação espacial experimental, que mais tarde caiu na atmosfera, e planeia agora construir uma instalação maior, com vários módulos, para rivalizar com a escala da Estação Espacial Internacional.

O programa espacial da China alcançou um marco, no ano passado, ao pousar uma sonda no lado oculto da Lua e tem planos para colocar um veículo terrestre e móvel em Marte.

Desde a sua primeira missão tripulada, em 2003, o programa espacial chinês desenvolveu-se rapidamente, e estabeleceu planos de cooperação com a Agência Espacial Europeia e de outros países.

Os EUA, no entanto, proibiram a maior parte da cooperação espacial com a China, por questões de segurança nacional, e impediram o país de participar na Estação Espacial Internacional, levando o país a desenvolver gradualmente o seu próprio equipamento.

O novo foguete Longa Marcha 5B foi especialmente designado para lançar os módulos da futura estação espacial em órbita.

A China também está entre os três países que planeiam missões para Marte este verão, junto com Estados Unidos e Emirados Árabes Unidos.

Uma sonda só pode ser lançada para Marte a cada dois anos para aproveitar o alinhamento mais próximo possível entre a Terra e o planeta vizinho.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG