China deve exibir míssil com potência "sem precedentes" nos 70 anos da revolução

Descrito por alguns especialistas como tendo um alcance de entre 12.000 e 14.000 quilómetros, aquele míssil de longo alcance poderia "atingir qualquer parte do território dos EUA"

A China deverá apresentar novos mísseis balísticos, com uma potência "sem precedentes", durante a parada militar em celebração do 70.º aniversário do regime comunista.

"Vão ser exibidas capacidades balísticas convencionais e nucleares sem precedentes (...), que demonstram a modernização quantitativa e qualitativa do arsenal balístico da China", prevê um relatório divulgado pela Fundação para Pesquisa Estratégica, com sede em Paris.

O chefe de Estado chinês, Xi Jinping, presidirá, em Pequim, na próxima terça-feira, ao evento que marca a fundação da República Popular da China, em 1949.

O relatório revela que armas extremamente rápidas deverão ser reveladas, "indicando que a China está, em alguns segmentos, na vanguarda da inovação global", lê-se no relatório.

Entre os principais equipamentos que deverão ser exibidos na avenida da Paz Celestial, a principal artéria de Pequim, mesmo ao lado do Grande Palácio do Povo, o parlamento chinês, da Cidade Proibida e da praça de Tiananmen, está o míssil DF-41, já pronto a ser usado, mas que nunca foi apresentado ao público.

O DF-41 pode "ser armado com um número relativamente grande de ogivas, até um máximo de 10 cabeças (nucleares) contra as três" dos modelos anteriores, detalha o estudo, baseado em imagens de satélite.

Descrito por alguns especialistas como tendo um alcance de entre 12.000 e 14.000 quilómetros, aquele míssil de longo alcance poderia "atingir qualquer parte do território dos EUA".

Outra arma que deve ser apresentada é o DF-17, o primeiro míssil capaz de transportar um veículo hipersónico, que pode ser equipado com armas convencionais ou nucleares, e que é capaz de ultrapassar sistemas antimísseis.

"Um sistema deste tipo significaria um impacto considerável, destacando o progresso da China (...) num segmento em que russos e norte-americanos estão atrasados", observa o relatório.

A análise baseia-se em fotos registadas nas ruas de Pequim, durante os ensaios para a parada militar, e imagens de satélite tiradas numa base do exército pela empresa Geo4i.

Também foram alcançados progressos no fabrico de veículos aéreos não tripulados (drones), principalmente o WZ-8, uma máquina de reconhecimento supersónico, que poderia ser usada para identificar alvos antes de um ataque.

O Lijian, outro veículo aéreo não tripulado que pode ser usado em apoio a operações navais, também deve ser apresentado.

Todas estas novas armas devem "aumentar drasticamente a capacidade convencional de dissuasão da China", segundo o FRS.

A China afirma regularmente que nunca usará armas nucleares primeiro, mas sempre em resposta, face a um ataque atómico por outro país.

O exército chinês disse hoje que não pretende "mostrar os músculos" com a parada militar da próxima semana.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG