Catalunha: França diz que independência não seria reconhecida e região sairia da UE

Ministra francesa avisou que "a primeira consequência, automaticamente, seria a saída [da Catalunha] da União Europeia".

A ministra dos Assuntos Europeus francesa, Nathalie Loiseau, advertiu esta segunda-feira que a independência da Catalunha não seria reconhecida e levaria a uma saída imediata da região da União Europeia. "Se houvesse uma declaração de independência, seria unilateral, não seria reconhecida", disse Loiseau, em declarações à cadeia Cnews.

A ministra francesa avisou que "a primeira consequência, automaticamente, seria a saída [da Catalunha] da União Europeia".

A governante apelou ao diálogo para ultrapassar a crise, apoiando os argumentos de Madrid sobre o referendo independentista realizado na Catalunha no dia 01 de outubro, e considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional espanhol.

"Esta consulta é contrária à Constituição e não há nenhum meio de verificar a qualidade: nem as listas de eleitores nem o processo de votação nem a contagem foram verificados", declarou Loiseau.

"Não temos qualquer razão para pensar de modo diferente daquilo que pensa a Constituição espanhola. Somos parceiros, aliados, de Espanha, e a Espanha é uma grande democracia", acrescentou.

Para o Governo francês, não era necessário "reinventar um sistema institucional num país que já tem feito muito para permitir que as regiões decidam autonomamente o seu destino".

A Catalunha está mergulhada em incerteza e o presidente do governo regional pretende declarar a independência esta terça-feira, caso Madrid continuar a recusar uma mediação.

Da decisão de Carles Puigdemont depende o futuro de 16 por cento da população espanhola que vive nesta região, que contribui em 19% para o PIB de Espanha.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.